Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Coreia do Sul e EUA retomarão busca de militares desaparecidos

Comandos militares da República Popular Democrática da Coreia (RPDC) e dos EUA acordaram hoje a retomada da busca dos soldados considerados desaparecidos nesta região durante o período de guerra 1950-1953.
Por Benito Joaquín | Prensa Latina
Panmunjom, RPDC - O ato ficou pactuado durante os diálogos com os quais se retomaram os encontros de alto nível entre chefes militares de Pyongyang e Washington, suspensos há anos, soube a Prensa Latina.
Durante o primeiro triênio da segunda metade do século passado morreram mais de 33 mil soldados e oficiais estadunidenses, segundo cifras oficiais.

Os restos mortais de cerca de 16 por cento desse total de militares mortos não foram encontrados nas buscas realizadas na RPDC entre 1996 e 2005 ou anteriormente.

Os especialistas forenses só detectaram nos antigos palcos de guerra ao norte daqui, os restos de aproximadamente 220 militares norte-americanos.

Em Washington, o secretário de Estado, Mike Pompeo, assegurou que 16 por cento dos corpos dos que morre…

Avaliação inicial dos EUA não culpa a Síria por ataque químico

Uma avaliação inicial dos Estados Unidos não determinou se um ataque químico na cidade síria de Douma foi realizado por forças do governo sírio, informou a Reuters.


Pars Today

A avaliação também sugeriu que um agente nunca foi usado no ataque suspeito de envenenamento, mas mais evidências foram necessárias para determinar o tipo de agente, disseram fontes do governo americano à agência de notícias.


Avaliação inicial dos EUA não culpa a Síria por ataque químico
Síria | Reprodução

Em um tweet no domingo, o presidente Donald Trump culpou o governo sírio e a Rússia pelo incidente químico de sábado no subúrbio de Damasco e alertou sobre "um grande preço".

Damasco rejeitou fortemente a alegação de usar munições químicas e disse que o chamado grupo terrorista Jaish al-Islam, que tem presença dominante em Douma, estava espalhando as acusações "em uma tentativa flagrante de impedir o avanço do Exército".

Trump também chamou o presidente russo, Vladimir Putin, por seu papel no conflito da Síria, que acabou de entrar em seu oitavo ano.

O presidente dos Estados Unidos e seu colega francês, Emmanuel Macron, concordaram em um telefonema dizendo que armas químicas foram usadas em Douma.

"Ambos os líderes condenaram veementemente os terríveis ataques com armas químicas na Síria e concordaram que o regime de Assad deve ser responsabilizado por seus contínuos abusos aos direitos humanos", disse um comunicado da Casa Branca.

Enquanto isso, o Departamento de Estado disse na segunda-feira que estava consultando os aliados dos EUA sobre uma possível resposta, ressaltando que "haverá consequências para essa atrocidade inaceitável".

O secretário de Defesa, James Mattis, disse a repórteres em Washington que ele não descartaria uma ação militar como ataques aéreos se fosse determinado que o governo sírio era responsável.

Mattis acusou a Rússia de ficar aquém de suas obrigações para garantir que a Síria abandonasse suas capacidades de armas químicas.

"A primeira coisa que temos que ver é por que armas químicas ainda estão sendo usadas quando a Rússia é a garantia da remoção de todas as armas químicas", disse ele.

Damasco rejeitou fortemente a alegação de usar munições químicas e disse que o chamado grupo terrorista Jaish al-Islam, que tem presença dominante em Douma, estava espalhando as acusações "em uma tentativa flagrante de impedir o avanço do Exército".

Postar um comentário

Postagens mais visitadas