Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Argentina concorda em construir bases norte-americanas em seu território

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, aprovou a construção no país de várias bases militares dos EUA, informou no sábado (21) o portal mexicano Aristegui Noticias com referência a fontes informadas.
Sputnik

De acordo com o portal, trata-se de ao mínimo três bases militares a serem construídas nas províncias de Neuquén (onde fica a jazida de gás de xisto Vaca Muerta), Misiones e Tierra del Fuego, de onde se pode controlar a Antártida.

A sua criação deve ser financiada pelo Comando Sul dos EUA. Um dos principais adeptos da criação de bases seria a ministra da Segurança da Argentina, Patricia Bullrich.

Além disso, nota o portal mexicano, a ministra elogiou a chegada ao país de instrutores americanos que efetuam a preparação dos policiais argentinos antes da cúpula do G20 em novembro. Isso viola as atuais leis argentinas, porque é necessário obter a autorização do Congresso para tais ações, algo que não foi feito.

Aviões norte-americanos realizam operação de vigilância perto das bases russas na Síria

Sete aviões militares da Força Aérea dos EUA realizaram uma operação de vigilância no Mediterrâneo Oriental perto da costa da Síria, onde se localizam a base aérea russa de Hmeymim e a base de abastecimento e manutenção da Marinha russa em Tartus.


Sputnik

Segundo os dados de monitorização da aviação militar, publicados pelo Mil Radar, trata-se de seis aviões de patrulha antissubmarino P-8A Poseidon que decolaram da base aérea de Sigonella na ilha italiana de Sicília e da aeronave de reconhecimento eletrônico EP-3E ARIES II, que decolou da base na ilha grega de Creta.


Aeronave da Marinha dos EUA, P-8A Poseidon, produzida pela Boeing
Boeing P-8A Poseidon da US Navy © AFP 2018 / CARL COURT / AFP

Anteriormente, o canal de televisão norte-americano CNBC, com referência a uma fonte familiarizada com a situação, informou que os EUA consideram oito instalações sírias como alvos potenciais de seu ataque. Entre elas estão dois aeródromos militares, um centro de pesquisa e uma usina que alegadamente está relacionada à produção de armas químicas.

O presidente dos EUA Donald Trump ainda não tomou uma decisão final sobre como Washington responderá ao suposto ataque químico na cidade síria de Douma, informou a Casa Branca. Trump, por sua vez, declarou na sua conta no Twitter que o ataque contra a Síria "pode ser muito em breve, ou não tão em breve assim".

Reprodução

Reportagens publicadas na semana passada sobre um ataque de forças do governo envolvendo armas químicas levaram os EUA e seus aliados a culpar Damasco e iniciar os preparativos para uma possível resposta militar. O governo sírio negou as acusações.

O Centro Russo de Reconciliação na Síria enviou inspetores a Douma, não encontrando nenhum rastro de uso de armas químicas. Moscou pediu uma investigação independente do incidente.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas