Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

Bombardeiros supersônicos chegam à base norte-americana no Qatar (VÍDEO)

Bombardeiros supersônicos não nucleares dos EUA, B-1B Lancer, chegaram à base aérea Al-Udeid no Qatar para substituir os bombardeiros estratégicos B-52 Stratofortress estacionados na área de responsabilidade do Comando Central dos Estados Unidos desde 2016.


Sputnik

O Comando Central da Força Aérea dos EUA anunciou no domingo passado no seu Twitter que dois B-1B Lancer tinham chegado ao Qatar em 31 de março.


Resultado de imagem para AUAB Welcomes Back the B-1 Lancer
B-1B Lancer da USAF na Al Udeid Air Base, Qatar | Reprodução

De acordo com o portal Military.com, a missão principal dos bombardeiros é apoiar a Operação Inherent Resolve, realizada pela coalizão internacional na Síria e Iraque contra os terroristas, assim como a operação Freedom's Sentinel (Sentinela da Liberdade, em português), nome da campanha dos EUA no Afeganistão.

Em 2016, um coronel da Força Aérea estadunidense afirmou ao canal Fox News que o bombardeiro "pode colocar uma arma de 2 mil libras [907 quilos] em uma maçaneta de porta a 15 milhas [24 quilômetros] na escuridão da noite e com o pior tempo".

No entanto, o jato, que entrou no serviço nos anos de 1980, está começando a mostrar sinais de envelhecimento. De acordo com o sargento-mestre Bruce Pfrommer, que trabalha com o avião há 20 anos, o B-1B avaria com muito mais frequência agora.


Comentários

Postagens mais visitadas