Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa russa: avião Il-20 foi derrubado por mísseis sírios S-200

De acordo com o ministério russo, o sistema de defesa aérea sírio tentava atacar um avião de Israel. No entanto, a tripulação israelense fez uma manobra especial para se proteger, e o míssil acabou atingindo acidentalmente o avião russo Il-20.
Sputnik

O avião Il-20 desapareceu dos radares em 17 de setembro, por volta das 23h do horário de Moscou, (17h em Brasília) durante o retorno planejado à base aérea de Hmeymim, acima do território do mar Mediterrâneo, a 35 quilômetros da costa da Síria, informou o comunicado do Ministério da Defesa da Rússia. O represente oficial da Defesa russa, Igor Konashenkov sublinhou que os aviões israelenses "propositalmente criaram uma situação perigosa para navios e aviões nessa região".

Na opinião dele, para evitar o ataque sírio, a tripulação israelense acabou tornando o Ilyushin-20 alvo de ataque.

"Ao tentarem proteger-se com ajuda do avião russo, os pilotos israelenses o puseram debaixo de fogo do sistema de defesa antiaérea da Síria"…

'Brasil não está preparado para a guerra irregular na República Centro-Africana'

Após praticamente confirmar que enviaria ao menos 900 homens à Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana (MINUSCA), o Brasil declinou nesta semana da participação citando custos e riscos. Para especialista ouvido pela Sputnik, o país não está preparado para os desafios que a missão exigia.


Sputnik

A Sputnik já havia noticiado com exclusividade no ano passado que a Minusca era o provável destino das tropas brasileiras. Conforme a Reportagem atestou em viagem à base do Batalhão Brasileiro de Forças de Paz (BRABAT) em Porto Príncipe, no Haiti, equipamentos militares estavam sendo encaixotados e enviados para o Rio de Janeiro, onde ficariam até a convocação de tropas para a República Centro-Africana. O país vive uma situação de caos generalizada desde 2012, quando rebeldes da coalizão Séléka tomaram o poder e forçaram a fuga do então presidente François Bozizé.


Militares brasileiros da missão MINUSTAH, Haiti
Militares brasileiros no Haiti © Sputnik / Igor Patrick

À época, o subcomandante do BRABAT 26, coronel Luís Cláudio Romaguera Pontes revelou à Sputnik que o Ministério da Defesa queria "o quanto antes partir para a próxima missão para aproveitar o legado" da Missão no Haiti, comandada pelo Brasil por 13 anos. Porém, ao anunciar que não enviaria mais as tropas à África, o governo teria justificado a decisão alegando o emprego do Exército em missões internas (sobretudo na intervenção federal no Rio de Janeiro e no acolhimento a refugiados venezuelanos em Rondônia), além dos altos custos e do risco elevado à vida dos soldados, atestado por enviados brasileiros em missão em fevereiro deste ano.

Visto com surpresa por analistas militares e pela própria ONU, o cancelamento da participação não espantou o diretor da Troia Intelligence e um dos principais analistas de segurança no Brasil, Ricardo Gennari. Para o especialista, a experiência na República Centro-Africana seria "completamente diferente" da realizada no Haiti, envolvendo situações para as quais as tropas não estão preparadas.

"Não seria missão de paz, seria guerra mesmo porque em toda essa região da África Central você tem uma questão de grupos terroristas. (…) Para se ter uma ideia estes grupos estão detonando explosivos de 500 quilos. É uma situação que a gente ainda não enfrentou", avalia Gennari.

Citando a saída de tropas de outros países, como a Austrália e da Suécia, da Minusca, o diretor da Troia Intelligence avalia ainda que a MINUSTAH exigiu habilidades diferentes dos soldados.

"Em uma missão de paz você faz um serviço de policiamento, inteligência para reduzir a criminalidade, já na África é um problema de guerra irregular, tribos inimigas que usam o terrorismo como ferramenta. Nossas tropas não estão prontas para uma guerra. Não temos a experiência contra o Boko Haram, contra conflitos tribais", menciona.

Gennari avalia ainda que o território de savana, bastante distinto das planícies haitianas, também constituiria outro fator de dificuldade. A avaliação agora, passa a ser política e diplomática. A recusa no envio de tropas pode ter levantado sobrancelhas nas Nações Unidas quanto à capacidade brasileira de integrar novas missões de paz, mas o especialista acredita que novos convites devem aparecer.

"A ONU convoca países que são membros para algumas missões de paz e conflitos. A Marinha do Brasil está presente no Líbano, é uma missão de observação, mas é uma missão. O Brasil poderá ser convocado novamente daí vamos ver como o próximo governante se posiciona, se decide se colocar nessa situação ou não", completa.

Exército e Itamaraty não comentam

A Sputnik Brasil tentou contato com o Ministério da Defesa em busca de um porta-voz para esclarecer o assunto, mas a Pasta resolveu se manifestar apenas por meio de nota.

À Reportagem, o MD esclareceu que "o governo brasileiro declinou da consulta realizada pelo secretariado das Nações Unidas para o envio de tropas para Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização na República Centro-africana (MINUSCA) e para a Missão das Nações Unidas para a Estabilização na República Democrática do Congo (MONUSCO). Informamos ainda que, o Brasil permanece com o seu compromisso internacional de colaborar com a paz mundial, mantendo aberto o diálogo com a ONU e permanecendo em condições de contribuir, no futuro, para outras missões de manutenção de paz".

Procurado, o Ministério das Relações Exteriores também não se pronunciou sobre o assunto.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas