Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Coreia do Sul e EUA iniciam exercícios conjuntos em período de degelo com Pyongyang

Manobras, que Coreia do Norte considera treinamento de invasão a seu território, devem durar menos que o habitual.


France Presse


Coreia do Sul e Estados Unidos iniciaram neste domingo (1º) os exercícios militares conjuntos anuais, de forma mais discreta que o habitual, em um momento de reconstrução do diálogo com a Coreia do Norte.

Aviões da Força Aérea dos EUA voam em formação durante um exercício aéreo conjunto entre os EUA e a Coreia do Sul em 2017 (Foto:  The Defense Ministry/Yonhap via Reuters)
Aviões da Força Aérea dos EUA voam em formação durante um exercício aéreo conjunto entre os EUA e a Coreia do Sul em 2017 (Foto: The Defense Ministry/Yonhap via Reuters)

E em uma tentativa de não prejudicar o aparente melhor momento das relações diplomáticas com a Coreia do Norte, Seul e Washington decidiram realizar as manobras durante um mês, metade do tempo habitual.

Os Exércitos sul-coreano e americano também optaram por não utilizar determinadas armas estratégicas, de acordo com Seul.

Os Jogos Olímpicos de Inverno celebrados na cidade sul-coreana de Pyeongchang em fevereiro terminaram com uma aproximação entre as duas Coreias: os governantes dos dois países se reunirão no fim de abril, antes de um esperado encontro entre o presidente americano, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong Un.

Os exercícios, batizados de Key Resolve e Foal Eagle, que acontecem a cada ano na mesma data, foram adiados para não coincidir com os Jogos de Pyeongchang.

Tensão habitual

Os exercícios sempre aumentam a tensão na península coreana, já que o regime de Pyongyang, que tem armamento nuclear, considera as manobras um treinamento geral para uma invasão de seu território.

Mas um alto funcionário do governo sul-coreano que viajou a Pyongyang no início de março afirmou que Kim Jong-un "entende" a decisão adotada por Estados Unidos e Coreia do Sul de prosseguir com as manobras militares.

O Foal Eagle é um exercício que reúne 11,5 mil soldados americanos e 290 mil militares sul-coreanos, enquanto o Key Resolve é um exercício de comando baseado em simulações por computador.

As manobras começam no mesmo dia em que estrelas sul-coreanas do K-pop farão um show histórico em Pyongyang.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas