Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

Defesa russa: EUA empurram outros países para nova corrida armamentista

Ao tentarem manter seu papel hegemônico na arena mundial, Estados Unidos forçam outros países a iniciar uma nova corrida armamentista.


Sputnik

"Hoje em dia, testemunhamos as transformações das relações internacionais, sua transição para o sistema multipolar, caraterizado pela distribuição de áreas de influência e endurecimento de concorrência pela liderança regional e global", declarou o ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu.


Militares norte-americanos preparam um drone MQ-9 Reaper para exercícios de voo
Militares norte-americanos com um drone RQ-9 Reaper | CC BY 2.0 / Força Aérea dos EUA

Neste contexto, afirmou, "EUA tentam manter seu papel hegemônico na arena mundial [e por isso] usam todos os meios, inclusive militares, para empurrar os países a uma nova corrida armamentista".

Ao mesmo tempo, durante reunião dos ministros da Defesa da Organização de Cooperação de Xangai (OCX), o ministro russo indicou que "Washington não está disposta a cooperar na base de direitos iguais mesmo com parceiros tradicionais".

Para provar sua afirmação, Shoigu destocou que "isso foi confirmado pelos novos documentos norte-americanos firmados nas áreas de segurança nacional e defesa, e por sua aspiração de revisar os mais importantes acordos internacionais, incluindo as decisões da ONU e as principais normas da Organização Mundial do Comércio [OMC]".

Segundo opina o chefe da Defesa russa, "Estados Unidos declaram sem vergonha alguma que as tendências na política exterior, que não os satisfazem, podem ser corrigidas através da força militar".

Comentários

Postagens mais visitadas