Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

Defesa russa: EUA empurram outros países para nova corrida armamentista

Ao tentarem manter seu papel hegemônico na arena mundial, Estados Unidos forçam outros países a iniciar uma nova corrida armamentista.


Sputnik

"Hoje em dia, testemunhamos as transformações das relações internacionais, sua transição para o sistema multipolar, caraterizado pela distribuição de áreas de influência e endurecimento de concorrência pela liderança regional e global", declarou o ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu.


Militares norte-americanos preparam um drone MQ-9 Reaper para exercícios de voo
Militares norte-americanos com um drone RQ-9 Reaper | CC BY 2.0 / Força Aérea dos EUA

Neste contexto, afirmou, "EUA tentam manter seu papel hegemônico na arena mundial [e por isso] usam todos os meios, inclusive militares, para empurrar os países a uma nova corrida armamentista".

Ao mesmo tempo, durante reunião dos ministros da Defesa da Organização de Cooperação de Xangai (OCX), o ministro russo indicou que "Washington não está disposta a cooperar na base de direitos iguais mesmo com parceiros tradicionais".

Para provar sua afirmação, Shoigu destocou que "isso foi confirmado pelos novos documentos norte-americanos firmados nas áreas de segurança nacional e defesa, e por sua aspiração de revisar os mais importantes acordos internacionais, incluindo as decisões da ONU e as principais normas da Organização Mundial do Comércio [OMC]".

Segundo opina o chefe da Defesa russa, "Estados Unidos declaram sem vergonha alguma que as tendências na política exterior, que não os satisfazem, podem ser corrigidas através da força militar".

Postar um comentário