Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Quem vai receber 'resposta esmagadora' do Irã pelo atentado em Ahvaz?

No sábado (22), militantes armados abriram fogo contra uma parada militar na cidade de Ahvaz, matando 29 pessoas e ferindo outras 60. O Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, que perdeu 12 de seus militares no atentado, prometeu que o Irã daria uma "resposta esmagadora" aos envolvidos no ataque. Mas de quem Teerã irá se vingar?
Sputnik

A responsabilidade pelo atentado foi assumida pelo Movimento Democrático Patriótico Árabe de Ahvaz (Al-Ahvazia), ligado à Arábia Saudita.

O líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, comentando a tragédia, afirmou que os atacantes receberam dinheiro da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos e que tinham sido apoiados pelos EUA.

Ex-chefe do Conselho de Cultura da administração presidencial iraniana, doutor Abbas Amirifar, acredita que por trás do ataque em Ahvaz estão países do Ocidente que "têm uma atitude hostil perante o Irã".

"Vale destacar que os terroristas que disseram estar envolvidos no atentado instalaram-se no Oc…

Deputado russo: 'EUA abrem 2ª frente na guerra de informação contra Rússia'

"Toda a situação" em torno do envenenamento do ex-agente Sergei Skripal e sua filha Yulia, demostra que os EUA "abriram a segunda frente da guerra de informação contra a Rússia", opina deputado russo.


Sputnik

De acordo o deputado e membro do Comitê da Duma de Estado para Segurança e Anticorrupção, Adalbi Shkhagoshev, se "no início apenas Washington foi o iniciador de todos os ataques mediáticos" contra Moscou, agora decidiu mudar sua tática, para que "outro jogador no cenário mundial lance este tipo de ataque contra Rússia".


Presidente dos EUA, Donald Trump, fala com premiê britânica, Theresa May, na Sala Oval na Casa Branca em Washington
Theresa May e Donald Trump © REUTERS/ Kevin Lamarque

Interesses mútuos em um 'jogo injusto'

Assim, "a escolha dos EUA caiu sobre o Reino Unido", um país "importante e significativo" que "não é comparável com jogadores mais humildes".

Por outro lado, segundo opina o político russo, tanto Washington como Londres "têm seu próprio interesse nesse jogo injusto": Reino Unido busca "cooperar mais estreitamente com os Estados Unidos devido ao 'Brexit'", enquanto EUA o aproveita "para poder dizer que atuam sozinhos na guerra de informação contra Rússia".

Em qualquer caso, "sem dúvida nenhuma" já podemos dizer que "o preço das acusações de Londres contra Rússia sobre o envenenamento de Skripal é igual ao conteúdo daquele tubo que o [ex] secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, mostrou a todo o mundo", concluiu o parlamentar russo, referindo-se às afirmações de Powell em 2003 de que tinha evidências de armas de destruição em massa no Iraque.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas