Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Primeiro voo do Aero L-159T2

A Aero Vodochody realizou o primeiro voo do treinador a jato L-159T2 de dois lugares em 1º de agosto. O voo de 30 minutos foi conduzido pelos pilotos de testes da empresa Vladimír Kvarda e David Jahoda.
Poder Aéreo

A Força Aérea Tcheca encomendou três exemplares em 2016, que devem ser entregues até o final deste ano. As aeronaves L-159 são operadas pelas forças aéreas tcheca e iraquiana, pela empresa americana Draken International e, no passado, foram alugadas pela Força Aérea Húngara para treinamento de pilotos.

Estas novas aeronaves de assento duplo T2 têm uma fuselagem central e dianteira recém-construída e apresentam várias melhorias significativas, principalmente em equipamentos de cockpit e sistema de combustível, e são totalmente compatíveis com o NVG. Cada cockpit é equipado com duas telas multifuncionais e um assento de ejeção VS-20 atualizado. A aeronave também pode oferecer uma capacidade de reabastecimento sob pressão. O radar GRIFO, já em uso na versão de um único assento, a…

Devemos realmente esperar uma guerra saudita-iraniana em um futuro próximo?

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammad bin Salman Al Saud, avisou sobre a possibilidade de um conflito militar com o Irã dentro de 10-15 anos. Em uma entrevista recente, ele apelou à comunidade internacional para que adote sanções mais duras contra Teerã para evitar uma confrontação militar na região.


Sputnik

Em uma entrevista com a Sputnik Internacional, o cientista sênior da Escola de Análise Internacional de Raja-ratnam em Singapura, James Dorsey, comentou as recentes declarações do príncipe saudita.


Desfile militar do Irã
Desfile militar no Irã © AFP 2018/ CHAVOSH HOMAVANDI

"Acredito que elas [estas declarações] devem ser entendidas com certa dúvida e entender claramente aquilo que ele fala. Se o atual acordo nuclear receber apoio e as tentativas de restringir aquilo que a Arábia Saudita qualifica como 'comportamento malévolo'[ do Irã] forem infrutíferas, então, logo que o prazo do acordo acabe, surgirá a hipótese de um conflito militar. Por sua vez, se em maio, quando o presidente Trump anunciar sua decisão, os EUA saírem deste acordo e ele acabar por fracassar, então, se seguirmos a mesma lógica, a probabilidade de guerra entre a Arábia Saudita e o Irã ainda aumentará", opinou o analista.

De acordo com ele, o objetivo principal é aplicar uma tal política em relação ao Irã que não agrade nem a Teerã nem a Washington. Por enquanto, Dorsey caracterizou a política saudita como pouco produtiva.

"A Arábia Saudita e o Irã estão envolvidos em uma escalada de confrontação. Na situação de hoje e no quadro desta política, a Arábia Saudita considera o Irã como uma ameaça real e está disposta a fazer todo o possível para impedir que o Irã continue sendo uma ameaça. Acho que tal política está condenada ao fracasso. Em outras palavras, o Irã é uma ameaça não simplesmente por sua política, mas apenas por existir", disse.

Na opinião do especialista, há meios de encontrar uma solução mais suave para esse problema que não inclua uma confrontação militar.

"Mas é aquilo que nem os EUA, nem a Arábia Saudita querem fazer hoje em dia", manifestou.

Não obstante, frisou, o Irã não parece estar disposto a escalar a situação e se envolver em um conflito aberto com a Arábia Saudita, e, talvez, Riad também não o queira na realidade.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas