Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Donald Trump diz que tomará "decisões importantes" sobre a Síria nas próximas horas

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta segunda-feira que nas próximas 24 ou 48 horas tomará "decisões muito importantes" sobre a Síria, e previu que logo terá respostas sobre se o responsável pelo ataque quimico foi a "Rússia, a Síria, o Irã ou todos eles lado a lado".


EFE

Washington - "Estamos estudando a situação muito minuciosamente e vamos tomar decisões muito importantes nas próximas 24 a 48 horas", disse Trump em declarações à imprensa durante uma reunião com seu gabinete na Casa Branca.


Arquivo. EFE/Chris Kleponis
Donald Trump | Arquivo. EFE/Chris Kleponis

Trump acrescentou depois que essas decisões serão reveladas "provavelmente antes do final do dia de hoje", durante consultas com os generais do Pentágono.

"Nenhuma opção está descartada", advertiu Trump ao ser perguntado pela possibilidade de uma ação militar na Síria.

"Isto tem que ter a ver com a humanidade, não se pode permitir que ocorra", disse o presidente americano.

Trump qualificou de "atroz", "horrível" e "um ato bárbaro" o suposto ataque químico registrado no sábado na cidade síria de Duma, e que os EUA atribuíram ao regime sírio do presidente Bashar Al-Assad.

"Se foram os russos, se foi a Síria, se foi o Irã, se foram todos eles lado a lado, descobriremos e teremos as respostas em breve", garantiu Trump.

"Eles dizem que não fizeram, mas para mim não há muitas dúvidas a respeito. Os generais descobrirão nas próximas horas", acrescentou.

O secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, assegurou também hoje que "não descarta" ações militares contra a Síria após as informações sobre o suposto ataque químico do sábado.

A Sociedade Médica Síria Americana (SAMS, por suas siglas em inglês) e a Defesa Civil Síria, ambas organizações apoiadas pelos EUA, asseguraram que pelo menos 42 pessoas morreram no sábado com sintomas de ter sofrido um ataque químico.

Nenhuma outra fonte confirmou que se tratasse de um bombardeio com substâncias químicas, e tanto a Rússia como Damasco negaram a utilização deste tipo de armamento em Duma e culparam o Exército do Islã.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas