Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Em documento final, Liga Árabe não inclui críticas ao ataque químico na Síria

A declaração final da Cúpula da Liga Árabe não incluiu as acusações às autoridades sírias pelo suposto uso de armas químicas em Douma, como foi declarado anteriormente pelo ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, Adel Jubeir.


Sputnik

Neste domingo (15), Jubeir comentou a declaração adotada na Cúpula, dizendo que a Liga Árabe havia condenado o uso de armas químicas pelas autoridades sírias, no entanto, o texto divulgado do documento não havia incluído tal disposição. A Arábia Saudita, como se sabe, é um Estado abertamente opositor ao regime de Bashar Assad.


Secretário-geral da Liga Árabe, Nabil al-Arabi
Secretário-geral da Liga Árabe, Nabil al-Arabi © REUTERS / Mohamed El-Shahed/Poo

"Declaramos com firmeza a nossa dura condenação do uso de armas químicas contra a nação síria e exigimos uma investigação internacional independente e a implementação do direito internacional em relação àqueles cuja responsabilidade pelo uso de armas químicas será comprovada", diz a carta final do encontro da organização.

Estados ocidentais acusaram as forças do presidente sírio, Bashar Assad, de um ataque com o uso de armas químicas na cidade síria de Douma no início do mês. Em resposta ao alegado incidente, os Estados Unidos, o Reino Unido e a França realizaram um ataque contra diversos alvos na Síria na noite de sexta-feira (13).


Postar um comentário