Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Embaixador russo na ONU alerta os EUA sobre consequências de ataque contra Síria

A reação dos Estados Unidos ao suposto incidente químico na cidade síria de Douma mostrou claramente que era o pretexto há muito buscado para atacar a Síria, o que foi finalmente fornecido pelos provocadores dos Capacetes Brancos, disse o enviado russo na ONU.


Sputnik

O suposto incidente químico em Douma só foi benéfico para os militantes, disse o representante permanente da Rússia na ONU, Vassily Nebenzia, instando seus colegas ocidentais a explicar por que Damasco decidiria fazê-lo. O suposto ataque foi relatado no sábado, em meio à evacuação de militantes da cidade sitiada.


Nesta imagem fornecida pela Marinha dos Estados Unidos, o destrutor de mísseis guiados USS Porter (DDG 78) lança um míssil de ataque de terra tomahawk no Mar Mediterrâneo, sexta-feira, 7 de abril de 2017.
Míssil Tomahawk lançado do USS Porter © AP Photo/ Ford Williams/U.S. Nav

"Essa provocação foi como uma brisa do ar fresco necessário para os militantes que receberam apoio tão oportuno dos EUA e de outros países ocidentais", disse Nebenzia na reunião do Conselho de Segurança da ONU nesta terça-feira. Ele alertou os EUA e seus aliados contra o lançamento de uma ação militar na Síria, contornando a ONU.

"Se você tomou a decisão de realizar um esforço militar ilegal, esperamos que retome o seu bom senso. Vocês serão responsáveis por si mesmos", afirmou Nebenzia.

A alegação de um ataque químico, impulsionado pelas fontes pró-militantes, tem sido entusiasticamente apoiada pelos EUA e outros países ocidentais, que culpam diretamente o incidente não verificado em Damasco.

Especialistas militares russos, entretanto, visitaram o local do suposto incidente, que foi entregue pelos militantes, e não encontraram sinais de um ataque químico ou de qualquer vítima dele.

Nebenzia pediu apoio à investigação internacional da agência de vigilância química na Síria antes de tirar conclusões precipitadas. No entanto, ele acredita que aqueles que buscam derrubar o governo legítimo do presidente sírio, Bashar Assad, não esperariam pelos resultados da investigação, alegando que, ao contrário, estão buscando um ataque.

"Você não quer ouvir que nenhum sinal de ataque químico foi encontrado em Douma. Você só procurou um pretexto e foi ansiosamente fornecido pelos provocadores dos Capacetes Brancos", completou Nebenzia.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas