Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Embaixador russo pede "transparência" a Londres sobre ataque a ex-espião

O embaixador da Rússia no Reino Unido, Alexander Yakovenko, pediu nesta quinta-feira ao Governo britânico "transparência" sobre as provas em relação ao ataque contra o agente duplo Sergei Skripal e sua filha, Yulia.


EFE

Londres - O diplomata sugeriu que Moscou só aceitará o resultado da investigação da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ) sobre a natureza da substância que envenenou os Skripal se for "confirmado pela comunidade internacional".


Resultado de imagem para Alexander Yakovenko
Embaixador da Rússia no Reino Unido, Alexander Yakovenko | Reprodução

"Queremos ver quem são os especialistas que estão analisando o agente químico, visto que a última vez, na Síria, a equipe (da OPAQ) foi liderada pelos britânicos", disse Yakovenko em entrevista coletiva em Londres.

O embaixador destacou que a Rússia nunca fabricou o agente químico de tipo Novichok que, segundo o Reino Unido, foi que envenenou o ex-espião russo no dia 4 de março em Salisbury (sul da Inglaterra).

"A história do Novichok começa nos Estados Unidos nos anos 90. Não tem nada a ver com a Rússia. Nunca o produzimos, nunca o tivemos", afirmou o diplomata.

Yakovenko antecipou que os resultados das pesquisas da OPAQ "serão apresentados à parte britânica provavelmente no prazo de uma semana".

"Dependerá dos britânicos torná-los acessíveis aos demais membros da organização (...)", afirmou.

O embaixador pediu a Londres que dê acesso à Rússia às provas colhidas pelos investigadores em Salisbury (Inglaterra), onde Skripal e sua filha foram encontrados inconscientes após terem sido envenenados.

Yakovenko também pediu que pessoal do Governo russo possa visitar ambos no hospital onde estão internados e se mostrou "feliz" com a melhora na saúde de Yulia Skripal.

"Para nós está muito claro que ambos foram envenenados. São cidadãos russos e queremos saber a verdade. É uma coisa muito séria", continuou o diplomata, insistindo em que "a Rússia não tem nenhum problema com Sergei Skripal".

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas