Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Seul celebra decisão de Pyongyang em suspender testes nucleares e de mísseis

Presidente sul-coreano Moon Jae-in e o líder norte-coreano Kim Jong-un irão se encontrar na próxima sexta-feira (27).
EFE

O governo da Coreia do Sul qualificou neste sábado (21) como um "progresso significativo" para a desnuclearização da Coreia do Norte a decisão do regime de Pyongyang de suspender os seus testes atômicos e de mísseis, assim como o fechamento de seu centro de testes nucleares.

Em um comunicado enviado pelo gabinete presidencial sul-coreano, Seul considerou que "a decisão da Coreia do Norte é significativa para a desnuclearização da península coreana" e disse, além disso, que "ajudará a criar um ambiente muito positivo para o sucesso das próximas cúpula intercoreana e entre o Norte e Estados Unidos".

O governo sul-coreano se comprometeu em preparar o iminente encontro entre seu presidente, Moon Jae-in, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, previsto para o próximo dia 27, de modo a "liderar o caminho para a desnuclearização e paz duradour…

Embaixador russo solicita reunião com Boris Johnson sobre caso Skripal

O embaixador da Rússia em Londres, Aleksandr Yakovenko, solicitou neste sábado uma reunião com o ministro de Relações Exteriores do Reino Unido, Boris Johnson, para abordar o caso Skripal, que provocou uma grave crise nas relações entre ambos os governos.


EFE

Moscou - "Já chegou a hora de um encontro entre Yakovenko e o ministro de Exteriores do Reino Unido para abordar todos os âmbitos das relações bilaterais e também a investigação do incidente em Salisbury", informou o porta-voz da delegação russa na capital britânica.


Boris Johnson em foto de 19 de março. EFE/ Olivier Hoslet
Boris Johnson em foto de 19 de março. EFE/ Olivier Hoslet

A fonte explicou que Yakovenko tinha enviado a Johnson uma "nota pessoal" e acrescentou que a Rússia espera "uma resposta construtiva da parte britânica" e que a reunião aconteça "em breve" para abordar o envenenamento em Salisbury do ex-espião russo Sergei Skripal e de sua filha com um agente químico, do qual Londres acusa Moscou.

"Infelizmente, o atual estado da interação entre a embaixada e o Ministério de Relações Exteriores britânico é extremamente insatisfatório", analisou.

A embaixada russa considerou "lamentável" a decisão das autoridades britânicas de negar o visto à sobrinha do ex-espião, Victoria, que tinha expressado o desejo de visitar os parentes hospitalizados no Reino Unido.

"Segundo uma fonte governamental citada pela 'BBC', o visto foi rejeitado porque 'a Rússia parece querer utilizar Victoria como um peão'. Isso significa que a decisão está motivada politicamente", afirmou o porta-voz.

Moscou considera que "a obstinação em se negar a cooperar, garantir a transparência e responder a inúmeras perguntas significa que os britânicos têm algo a esconder".

Segundo informaram fontes dos serviços de saúde na sexta-feira, Skripal, de 66 anos, saiu do estado crítico, responde bem ao tratamento e a sua saúde melhora rapidamente. Yulia, de 33 anos, que tinha chegado ao Reino Unido procedente da Rússia um dia antes do envenenamento para visitar o pai, se mantém estável há uma semana e recuperou a fala.

Sergei Skripal e sua filha foram envenenados no dia 4 de março em Salisbury após serem expostos a uma substância química chamada "Novichok", que, segundo Londres, foi fabricada na Rússia.

Postar um comentário