Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Embaixadora americana diz que EUA continuam na Síria até certeza de não uso de armas químicas

EUA também querem se assegurar que o Estado Islâmico seja derrotado e que há uma melhor visão do que o Irã está fazendo


Por G1


A embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, afirmou neste domingo (15) que as tropas americanas continuam na Síria até que a situação esteja completamente resolvida, informa a agência Reuters. De acordo com a embaixadora, os Estados Unidos não vão deixar o país até que três objetivos sejam alcançados:

  1. Os EUA estiverem seguros que armas químicas não são usadas;
  2. O Estado Islâmico, grupo radical sunita, for derrotado;
  3. Os americanos terem um bom ponto de vista do que exatamente o Irã está fazendo.
Nikki Haley, embaixadora dos EUA na Organização das Nações Unidas  (Foto: Seth Wenig/ AP Photo)
Nikki Haley, embaixadora dos EUA na Organização das Nações Unidas (Foto: Seth Wenig/ AP Photo)

"Queremos muito que as tropas americanas voltem para casa, mas nós não vamos sair até que essas coisas sejam alcançadas", disse Haley.

Na sexta-feira (13), EUA, França e Reino Unido atacaram a Síria sob a justificativa de que o regime de Bashar al-Assad supostamente usa e produz armas químicas. A Rússia chegou a pedir uma condenação aos ataques na ONU, mas a resolução foi negada no sábado (14).

Também neste domingo (15) o presidente sírio Bashar al-Assad, disse a um grupo de legisladores russos que os ataques com mísseis ocidentais em seu país foram um ato de agressão.

Relação com a Rússia e sanções

Nikki Haley comentou ainda que a relação dos Estados Unidos com a Rússia, principal aliada do regime sírio, está "muito tensa" por conta da Síria e que os americanos estão preparando novas sanções contra os russos por seu apoio a Bashar al-Assad.

Em entrevista ao programa "Face the Nation", da CBS, Haley disse que as sanções serão anunciadas na segunda-feira pelo secretário do Tesouro, Steven Mnuchin.

"Elas serão direcionadas diretamente para qualquer tipo de empresa que esteja lidando com equipamentos relacionados ao uso de armas químicas e com Assad", disse Haley.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas