Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA anunciam criação de arma de 'energia dirigida'

O progresso no uso da tecnologia de "energia dirigida" na área de defesa atingiu seu "ponto de ruptura", comunicou ao portal Space News o chefe do Centro para Tecnologias Promissoras da empresa Lockheed Martin, Nelson Pedreiro.
Sputnik

De acordo com ele, a empresa já havia criado um protótipo de arma a laser capaz de defender bases militares de ataques com drones.



Pedreiro afirmou também que no ano passado a Lockheed Martin demonstrou o funcionamento do sistema ATHENA, de 30 quilowatts, em uma base do exército norte-americano situada no estado de Novo México.

"O sistema atingiu alvos aéreos em pleno voo causando danos estruturais e provocando a perda de controle sobre eles. Os lasers também estão sendo desenvolvidos para a Agência de Defesa de Mísseis como armas antimíssil capazes de abater mísseis balísticos inimigos durante a decolagem", acrescentou o engenheiro.

Anteriormente, o Pentágono fechou o contrato para a criação de um protótipo de míssil de cruzeir…

Especialista: se EUA se atreverem a usar a força na Síria, o ataque será massivo

Se o presidente dos EUA, Donald Trump, se atrever a usar a força na Síria em resposta ao "ataque químico" na cidade de Douma, Washington será obrigado a realizar uma operação de maior envergadura que a de há um ano, disse o especialista do Nicholas Heras em seu artigo na edição Foreign Policy.


Sputnik

Segundo o analista, os ataques de mísseis dos EUA do ano passado contra a base aérea de Shayrat não atingiram o objetivo colocado: os aviões do exército sírio continuaram a voar a partir do aeródromo algumas horas depois do ataque. Além disso, para Heras, os "depósitos de armas químicas" de Damasco não foram destruídos e as forças governamentais continuaram a usá-las.


Destróier norte-americano USS Donald Cook no porto de Rota, Espanha, fevereiro de 2014 (foto de arquivo)
USS Donald Cook © AFP 2018/ GOGO LOBATO

"Para causar danos suficientes a Bashar Assad e lançar o sinal que Trump quer, os EUA deveriam atacar mais alvos para minar as capacidades militares do exército sírio", afirmou Heras.

Segundo o especialista, os EUA podem atacar as instalações militares tanto no leste como no oeste do país.

Anteriormente, a edição Washington Examiner, com referência a uma fonte no Pentágono, informou que na segunda-feira (9) o destróier norte-americano USS Donald Cook zarpou do porto em Chipre e rumou ao litoral da Síria. O navio é armado com 60 mísseis de cruzeiro Tomahawk.

Em janeiro de 2016, a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ, na sigla em inglês) declarou a liquidação total do arsenal de armas químicas na Síria.

Damasco afirmou retiradamente que não possui armas químicas.

Em 26 de fevereiro, o Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia declarou que os terroristas estavam preparando provocações com o uso das substâncias tóxicas em Ghouta Oriental a fim de acusar Damasco do uso de armas químicas. Os militares russos avisaram que os EUA iriam usar essa provocação como pretexto para realizar um ataque contra a Síria.

Postar um comentário