Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Fuzileiros Navais do Brasil e dos EUA ratificam acordo de cooperação

Diálogo conversou com o Contra-Almirante (FN) da Marinha do Brasil (MB) Nélio de Almeida para conhecer detalhes dessa parceria
Por Marcos Ommati | Diálogo Américas | Poder Naval

Criar mais oportunidades de intercâmbio de conhecimento e treinamento combinado entre os Fuzileiros Navais do Brasil e dos Estados Unidos. Este é o objetivo principal de um plano de cinco anos ratificado em fevereiro de 2019 entre os representantes de ambas as forças, o Contra-Almirante (FN) da Marinha do Brasil Nélio de Almeida, comandante do Desenvolvimento Doutrinário do Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) do Brasil e presidente nacional da Associação de Veteranos desta força, e o Contra-Almirante Michael F. Fahey III, comandante do Corpo de Fuzileiros Navais Sul dos EUA (MARFORSOUTH, em inglês). O C Alte Nélio recebeu Diálogo em seu escritório na Ilha do Governador, Rio de Janeiro, para dar detalhes do acordo e conversar sobre outros temas de interesse das marinhas do Brasil e de outros países da região e dos E…

Especialista: se EUA se atreverem a usar a força na Síria, o ataque será massivo

Se o presidente dos EUA, Donald Trump, se atrever a usar a força na Síria em resposta ao "ataque químico" na cidade de Douma, Washington será obrigado a realizar uma operação de maior envergadura que a de há um ano, disse o especialista do Nicholas Heras em seu artigo na edição Foreign Policy.


Sputnik

Segundo o analista, os ataques de mísseis dos EUA do ano passado contra a base aérea de Shayrat não atingiram o objetivo colocado: os aviões do exército sírio continuaram a voar a partir do aeródromo algumas horas depois do ataque. Além disso, para Heras, os "depósitos de armas químicas" de Damasco não foram destruídos e as forças governamentais continuaram a usá-las.


Destróier norte-americano USS Donald Cook no porto de Rota, Espanha, fevereiro de 2014 (foto de arquivo)
USS Donald Cook © AFP 2018/ GOGO LOBATO

"Para causar danos suficientes a Bashar Assad e lançar o sinal que Trump quer, os EUA deveriam atacar mais alvos para minar as capacidades militares do exército sírio", afirmou Heras.

Segundo o especialista, os EUA podem atacar as instalações militares tanto no leste como no oeste do país.

Anteriormente, a edição Washington Examiner, com referência a uma fonte no Pentágono, informou que na segunda-feira (9) o destróier norte-americano USS Donald Cook zarpou do porto em Chipre e rumou ao litoral da Síria. O navio é armado com 60 mísseis de cruzeiro Tomahawk.

Em janeiro de 2016, a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ, na sigla em inglês) declarou a liquidação total do arsenal de armas químicas na Síria.

Damasco afirmou retiradamente que não possui armas químicas.

Em 26 de fevereiro, o Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia declarou que os terroristas estavam preparando provocações com o uso das substâncias tóxicas em Ghouta Oriental a fim de acusar Damasco do uso de armas químicas. Os militares russos avisaram que os EUA iriam usar essa provocação como pretexto para realizar um ataque contra a Síria.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas