Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Poder invencível: conheça 5 países que são impossíveis de conquistar

Não é possível conquistar tais países como a Rússia, EUA, China, Índia e Afeganistão, afirma o portal militar estadunidense We are the Mighty.
Sputnik

Entre as razões que tornam impossível a conquista da Rússia, o portal se refere não só ao clima severo, ao exército e ao território enormes, mas também às peculiaridades da psicologia nacional.

"É mais provável que os russos destruam seu próprio país do que o entreguem a qualquer invasor", sublinha o portal.

Por isso, os eventuais conquistadores devem levar em conta, destaca, que terão que combater contra "cada russo em 11 fusos horários".

Já os EUA não serão subjugados não só por causa das suas poderosas Forças Armadas, vasto território e grande população, mas também devido ao fato de os cidadãos serem autorizados a usar armas.

Quanto à China, o portal indica que a razão de sua invencibilidade baseia-se na sua população de 1,3 bilhão de pessoas. Entre os fatores adicionais há o grande território do país, doenças causadas …

EUA irão expandir combate contra Daesh na Síria

O chefe do Pentágono, James Mattis, informou nesta quinta-feira (26) que os EUA irão expandir o combate contra o grupo terrorista Daesh (Estado Islâmico) na Síria com a ajuda de outros países regionais.


Sputnik

"No momento, nós vamos retirar as tropas", disse Mattis, ao discursar diante do comitê do Senado para assuntos militares.


Forças dos EUA patrulhando nos arredores da cidade síria de Manbij, província de Aleppo (foto de arquivo)
Tropas dos EUA na Síria © AP Photo / Arab 24 network

De acordo com ele, os terroristas do Daesh estão reforçando as suas operações.

"Nós continuamos o combate, nós iremos ampliá-lo, atraindo mais apoio regional. Esta é a maior mudança que estamos fazendo agora ", disse o chefe do Pentágono.

Em meio a declarações de Trump sobre a retirada dos militares dos EUA, o secretário de Defesa James Mattis já havia esboçado a possibilidade de grupos terroristas se reagruparem em posições remotas na Síria, dizendo ao presidente dos EUA que a retirada reverteria o progresso alcançado até agora.

Em 3 de março, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou seus planos de retirar as tropas do país da Síria em um futuro próximo, o que gerou uma controvérsia com as posições do presidente da coalizão liderada pelos EUA, Brett McGurk, bem como do novo secretário de Estado, Mike Pompeo, e o chefe do Estado-Maior Conjunto Joseph Dunford, entre outros funcionários de alto escalão do país.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas