Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

EUA obrigam países não nuclearizados da OTAN a ensaiar ataques nucleares contra a Rússia

"A Rússia não ameaça ninguém. A manutenção dos arsenais é um processo comum em todos os países. Fomos forçados a responder à escalação da situação corrente mundo", disse o diretor do departamento de não proliferação e controle de armas do ministério das Relações Exteriores da Rússia, Vladimir Yermakov.


Sputnik

O diplomata destacou que as recentes medidas dos Estados Unidos ameaçam especialmente a integridade do Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP).


Um míssil nuclear ICBM Titan II desativado é visto em um silo no Missile Museum Titan. 12 de maio, 2015, Green Valley, Arizona.
Míssil nuclear dos EUA ICBM Titan II © AFP 2018 / BRENDAN SMIALOWSKI

"O que realmente ameaça o TNP e muitos outros acordos é uma relutância resistente dos EUA no que diz respeito ao cumprimento do disposto nos artigos 1 e 2 (TNP) e à continuação da chamada 'partilha nuclear', que em essência força os países não-nuclearizados da OTAN a participar de ataques nucleares contra a Rússia ", disse o alto funcionário de Moscou.

A declaração russa foi uma resposta ao secretário de Estado para segurança internacional e não-proliferação dos EUA, Christopher Ford, que declarou: "a modernização dos arsenais da Rússia representa uma ameaça aos seus vizinhos e viola as obrigações do país em relação ao controle de armas".

Postar um comentário