Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA ameaçam Turquia com sanções em caso de compra dos sistemas S-400 da Rússia

Em dezembro 2017, Rússia e Turquia assinaram um acordo de empréstimo para o fornecimento de sistemas de mísseis de defesa aérea S-400 russos para a Turquia.
Sputnik

O assessor do secretário de Estado dos EUA, Wess Mitchell, declarou nesta quarta-feira (18), durante uma audiência na Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Representantes dos EUA, que a Turquia pode receber sanções após a compra dos sistemas de defesa russos S-400.


"Ancara confirma que concordou em comprar os sistemas de mísseis russos S-400, o que pode potencialmente levar a sanções no âmbito do artigo 231 da Lei de Contenção de Adversários da América Através de Sanções [CAATSA] e influencia negativamente sobre a participação no programa dos F-35 [caças de 5ª geração]", disse o representante do Departamento de Estado na audiência sobre a política dos EUA no Oriente Médio.

Em dezembro do ano passado, os representantes russos e turcos assinaram um acordo de crédito para fornecimento de sistemas S-400. Segundo …

EUA teriam enviado destróier com mísseis para o litoral da Síria

O segundo destróier norte-americano pode chegar ao mar Mediterrâneo nos próximos dias, comunicou o jornal Wall Street Journal, citando fontes no Pentágono.


Sputnik

"Os EUA já posicionaram o destróier USS Donald Cook no leste do mar Mediterrâneo, de onde ele pode participar de qualquer ataque contra a Síria […] O segundo, o USS Porter, poderá chegar lá daqui a uns dias", comunicou a edição.


USS Donald Cook (foto de arquivo)
USS Donald Cook | CC0 / U.S. Navy / wikipedia.org

Ontem (9), o jornal Washington Examiner, citando uma fonte no Pentágono, comunicou que o destróier USS Donald Cook, equipado com 60 mísseis de cruzeiro Tomahawk, zarpou do porto de Chipre em direção à Síria. De acordo com a edição turca Hurriyet, os aviões de combate russos sobrevoaram ao menos quatro vezes a embarcação norte-americana, contudo, o Pentágono não confirmou essas informações.

Anteriormente, o presidente dos EUA, Donald Trump, acusou a Rússia e o Irã de apoiarem o líder sírio Bashar Assad depois de terem surgido informações sobre um alegado ataque químico na cidade síria de Douma, e prometeu decidir sobre medidas retaliatórias em 48 horas.

Moscou e Damasco desmentiram as informações sobre um ataque com cloro alegadamente levado a cabo por militares sírios. O Ministério das Relações Internacionais russo afirmou que essas falsificações têm como objetivo justificar possíveis ataques externos contra a Síria.


Postar um comentário