Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

EUA vão gastar US$ 65 milhões para 'diminuir dependência' de Donbass da Rússia

Estados Unidos tencionam investir até US$ 65 milhões (R$ 222,2 milhões) na "restauração econômica" de Donbass para intensificar seus laços comerciais com Ucrânia e União Europeia e diminuir sua dependência da Rússia.


Sputnik

A Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional (USAID, na sigla em inglês), que irá investir no projeto, indica que o objetivo principal é devolver Donbass ao controle ucraniano, ou seja, liquidar as Repúblicas Autoproclamadas de Donetsk e Lugansk (constituem Donbass) que são instituições governamentais.


Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional (USAID, na sigla em inglês)
CC BY 2.0 / USAID

"O trabalho será principalmente realizado nos territórios das regiões de Donetsk e Lugansk, que mais do que ninguém sofreram com a agressão russa", diz comunicado da agência.

"Ao mesmo tempo, para atingir os objetivos necessários, serão exercidos esforços para influenciar as áreas próximas, bem como todo o território da Ucrânia em geral", informa-se.

Planeja-se que, nas primeiras etapas do programa, os fundos sejam investidos em projetos com dedicação rápida: donos de pequenas e médias empresas. Tal apoio, segundo opinam autores do programa, poderia resultar no aumento do número de empresários em nome individual e investidores prontos para investir nessa região.

Entretanto, o documento inclui vários cenários de desenvolvimento da situação na região: ocupação de Donbass por tropas ucranianas, manutenção de status-quo, conflito congelado ou até mesmo "invasão russa". Destaca-se que um empreiteiro deve estar pronto para realizar o programa de recuperação de Donbass em cada dessas situações.

Kiev e os países ocidentais frequentemente acusam Rússia de "agressão armada" contra Ucrânia. No entanto, Moscou retiradamente declarou que não participa do conflito e não tem nada a ver com eventos em Donbass, mostrando-se interessada na superação da crise na Ucrânia.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas