Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

OTAN se prepara para maiores exercícios militares desde 2002

A OTAN está se preparando para realizar seus maiores exercícios militares desde 2002. Trata-se dos Trident Juncture 2018, dos quais participarão mais de 40.000 militares de 30 países membros e parceiros da OTAN.
Sputnik

A fase principal das manobras irá ser realizada entre os dias 25 de outubro e 7 de novembro, na Noruega e áreas vizinhas, com exercícios preliminares nas águas ao largo da costa da Islândia de 15 a 17 de outubro.

Defender-se contra 'qualquer ameaça em qualquer momento'

O objetivo dos exercícios é a dissuasão e defesa contra "qualquer ameaça, de qualquer lugar e em qualquer momento", explicou nesta semana o almirante da Marinha dos EUA a jornalistas em Bruxelas, James G. Foggo III, comandante dos exercícios.

O militar revelou que os Trident Juncture mostram que a OTAN está unida e pronta para se defender valendo-se da defesa coletiva. Neste sentido, o cenário dos exercícios inclui uma violação da soberania de um aliado da OTAN, neste caso da Noruega.

Ao mesm…

EXCLUSIVO: Está difícil, para a MB, manter o radar Artisan a bordo do ex-HMS Ocean

A Marinha do Brasil (MB) está enfrentado dificuldades para manter o radar Tipo 997 Artisan (Advanced Radar Target Indication Situational Awareness and Navigation) a bordo do ex-porta-helicópteros britânico HMS Ocean, que a Força comprou a 19 de fevereiro último.


Por Roberto Lopes | Poder Naval

A questão ainda está em discussão mas manifestações da Marinha Real indicam que a MB pode não ser autorizada a operar um radar de funções e préstimos tão sofisticados.


HMS Ocean | Reprodução

O assunto, apurado com exclusividade pelo Poder Naval, é considerado sigiloso na Diretorial Geral do Material da Marinha, no Rio.

O Artisan é um moderno radar tridimensional de vigilância aérea e de superfície, de médio alcance – até 110 milhas náuticas (ou 203,72 km) –, concebido e construído pelo grupo britânico BAE Systems para a Marinha Real.

Artisan 3D | Reprodução

Os detalhes de funcionamento do radar são classificados como confidenciais, mas ele, supostamente, é capaz de rastrear e vigiar mais de 900 alvos simultaneamente – e de fazer esse trabalho de monitoramento com boa resistência aos mais complexos jammers conhecidos internacionalmente.

Pernambuco 


Segundo o que o Comandante da Marinha, almirante Eduardo Leal Ferreira, confidenciou a colegas de sua corporação, o navio passará a se chamar Pernambuco, em atenção a um pedido do ex-ministro da Defesa – e atual ministro da Segurança Pública – Raul Jungmann, que é pernambucano.

A outra denominação que vinha sendo considerada para a unidade era Atlântico.

Refit 

Mas, no caso do porta-helicópteros, o Comandante da MB também tem tido motivos para satisfação.

Os relatórios que ele recebe dos oficiais brasileiros que se encontram fazendo vistorias a bordo do ex-HMS Ocean, são altamente elogiosos à qualidade do refit realizado no navio pela Royal Navy (RN), durante o ano de 2014.

Essas informações ressaltam: em certos compartimentos, a embarcação parece completamente nova, como se tivesse começado a operar quatro anos atrás, e não em 1998.

Por tudo isso, a venda do ex-HMS Ocean enfrenta, até hoje, intensas críticas de parte do Parlamento britânico – reclamações que têm origem na pressão de militares da reserva da RN para que o navio não fosse transferido para a Marinha do Brasil.

Na Esquadra brasileira, o novo Pernambuco, de 21.500 toneladas, representará uma pequena revolução, por sua modernidade (estrutural e de sistemas), capacidade de transportar aeronaves (18) e disponibilidade para operar como navio de assalto anfíbio e de controle de área maritima.

Na Royal Navy o Ocean era o capitânia. Suas acomodações permitiam que ele abrigasse, a um só tempo, os estados-maiores do Comandante da Força Anfíbia e do Comandante da Força de Desembarque do Reino Unido.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas