Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Exército alemão vai investir milhões em armas e equipamentos, dizem jornais

O Exército alemão está planejando gastar milhões em novos lançadores de foguetes, drones, helicópteros e aviões de carga para preencher lacunas em seu arsenal, enquanto os Estados Unidos pressionam Berlim para fazer mais pela defesa do país e da Europa.


Sputnik

O Ministério da Defesa da Alemanha planeja comprar 18 itens, cada um custando mais de 25 milhões de euros (US$ 30 milhões), segundo os jornais Handelsblatt e Bild. A lista é, no entanto, "preliminar" e pode ser alterada, dependendo do orçamento para 2018. Ela inclui vários sistemas de foguetes de lançamento múltiplo MARS, sete helicópteros de resgate e seis aviões de carga C-130J Hercules fabricados nos EUA, informou o Bild.


Tanque Leopard 2 durante demonstração na Alemanha (foto de arquivo)
Tanque alemão Leopard II © AP Photo / Michael Sohn

De armadura pesada à parte, um contrato de leasing para drones de reconhecimento Heron TP, construídos por Israel, também está na lista de desejos da Bundeswehr (Forças Armadas alemãs), assim como atualizações para veículos blindados Puma e um contrato de manutenção para helicópteros NH90.

O Exército alemão também investirá no desenvolvimento de um novo radar para o jato Eurofighter Typhoon, equipamento de telecomunicações para navios de guerra da Marinha, assim como novos uniformes e equipamentos de proteção, segundo o jornal Die Zeit.

As melhorias foram consideradas depois que o Ministério da Defesa da Alemanha recebeu críticas pesadas sobre seus equipamentos e capacidade operacional "dramaticamente ruins". Após o fim da Guerra Fria, a Alemanha cortou radicalmente seu orçamento militar. Empurrada pelo presidente dos EUA, Donald Trump, que criticou Berlim por "pagar muito menos do que deveria" por questões militares e da OTAN, a Alemanha reconsiderou seu investimento em armamentos.

A promessa da chanceler Angela Merkel de aumentar o orçamento militar da Alemanha seguiu os apelos de Trump para que os membros da OTAN cumpram a meta de gastos com defesa de 2% do PIB.

Membros do Partido Social-Democrata da Alemanha (SPD) enviaram "um claro não" aos apelos de Trump para injetar bilhões em programas de armamentos maciços e denunciaram Merkel por ceder ao presidente dos Estados Unidos.

Em 2017, o então ministro de Relações Exteriores, Sigmar Gabriel, advertiu Merkel a não se "ajoelhar" diante de Trump em tentativas de "apaziguá-lo". O principal diplomata pediu à chanceler para suportar as demandas para reforçar o orçamento militar. Ele defendeu que o papel do país deve ser "o poder da paz e não uma máquina de armas". Merkel e seu partido no poder "querem seguir o ditame de Trump e dobrar os gastos militares da Alemanha", argumentou o hoje ex-ministro.

Postar um comentário