Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Exércitos dos países do golfo Pérsico vão realizar sonhos de Trump na Síria?

O Qatar deve enviar tropas à Síria se não quiser perder o apoio militar norte-americano, declarou o chanceler saudita, Adel al-Jubeir.


Sputnik

"O Qatar tem que pagar pela presença das tropas norte-americanas na Síria e deve enviar suas tropas à Síria antes de o presidente dos EUA se recusar a fornecer proteção ao Qatar pela base norte-americana no território qatarense", a assessoria de imprensa da Arábia Saudita cita o ministro das Relações Exteriores do país.


As forças dos EUA na sede da Unidade de Proteção do Povo Curdo (YPG) perto de Malikiya, na Síria, em 25 de abril de 2017.
Tropas dos EUA junto com curdos na Síria © REUTERS / Rodi Said

Mais anteriormente, Washington anunciou planos de substituir os militares norte-americanos no território sírio por contingentes de países árabes. Mas o que está por trás destas declarações? Será que os EUA não podem lidar com os terroristas?

O chefe do Centro de Estudos Militares libanês, general-brigadeiro Hisham Jaber, disse em entrevista à Sputnik Árabe: "Primeiramente, é necessário entender que os EUA não pretendem lutar verdadeiramente contra o Daesh [organização terrorista proibida na Rússia]. Hoje em dia, vemos no leste da Síria terroristas coexistindo pacificamente com militares estadunidenses. Quanto ao envio de forças militares de países do golfo Pérsico, que duvido por uma série de razões, isso seria feito somente para poupar dinheiro norte-americano em guerras. Mesmo que na Síria desembarquem de repente tropas, digamos, da Arábia Saudita, de qualquer maneira Washington não retiraria por completo suas tropas. Certo número de norte-americanos permaneceria, dependendo da quantidade de soldados sauditas, mas é o reino que vai pagar por todos."

Uma das razões pelas quais o envio do contingente saudita é pouco provável é a disputa entre a Arábia Saudita e o Qatar sobre que quantias serão pagas por eles e a quem as tropas responderão, sendo isso muito importante levando em consideração o conflito atual entre os países. De acordo com o general libanês Hisham Jaber, o compromisso pode se tornar financiamento conjunto das despesas das forças norte-americanas.

O analista omani em política regional, Ali al-Mashaani, considera que os EUA querem ver na Síria somente forças militares do Qatar.

Ele contou à Sputnik Árabe que "atualmente os representantes do governo norte-americano realizam uma política de duplos padrões em relação ao Qatar na crise síria". Ali al-Mashaani acrescentou que, por um lado, os EUA agradecem muito o país, por outro, apelam sempre para não apoiar o terrorismo. E para sair desta situação difícil, Doha deve pôr em prática os planos dos EUA na região.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas