Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Seul celebra decisão de Pyongyang em suspender testes nucleares e de mísseis

Presidente sul-coreano Moon Jae-in e o líder norte-coreano Kim Jong-un irão se encontrar na próxima sexta-feira (27).
EFE

O governo da Coreia do Sul qualificou neste sábado (21) como um "progresso significativo" para a desnuclearização da Coreia do Norte a decisão do regime de Pyongyang de suspender os seus testes atômicos e de mísseis, assim como o fechamento de seu centro de testes nucleares.

Em um comunicado enviado pelo gabinete presidencial sul-coreano, Seul considerou que "a decisão da Coreia do Norte é significativa para a desnuclearização da península coreana" e disse, além disso, que "ajudará a criar um ambiente muito positivo para o sucesso das próximas cúpula intercoreana e entre o Norte e Estados Unidos".

O governo sul-coreano se comprometeu em preparar o iminente encontro entre seu presidente, Moon Jae-in, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, previsto para o próximo dia 27, de modo a "liderar o caminho para a desnuclearização e paz duradour…

'Finja que não pode respirar': sírio expõe como terroristas chefiaram falso ataque químico

Ameaçado pelos militantes, um médico prisioneiro foi "forçado a encher seringas, fingindo que estava nos injetando para nos reanimar", diz um homem que durante anos foi refém do grupo terrorista Jaish al-Islam.


Sputnik

Um sírio, libertado segunda-feira na cidade de Douma (província de Ghouta Oriental) do cativeiro imposto pelo grupo Jaish al-Islam, explicou para a agência Ruptly como em 2015 os jihadistas o forçaram a encenar uma situação, que seria filmada, em que ele foi alegadamente vítima de um ataque com armas químicas.


Voluntários praticam resposta a ataque químico, Aleppo, Síria
Treinamento contra ataque químico em Aleppo, Síria © AFP 2018 / Jim Lopez

"Fomos [a Douma] e [Jaish al-Islam] nos reuniu e nos obrigou a tirar nossas camisas, dizendo que ‘o exército estava prestes a usar armas químicas'", disse Mohamed Khudr Mousa na quarta-feira (11).

"Deve fingir que armas químicas foram usadas contra você e que não pode respirar, derramaremos água em você para reanimar", lembra o homem sobre as ordens de seus sequestradores.

Mousa disse que um médico, também prisioneiro do grupo militante, foi "forçado a encher seringas, fingindo que estava nos injetando para nos reanimar".

"Eles [os membros do Jaish al-Islam] derramaram água sobre nós e nos forçaram a fingir que estávamos inconscientes, de acordo com suas ordens, então trouxeram uma câmera e nos filmaram", relatou. Em um comentário posterior, ele admitiu não saber se o vídeo em questão foi publicado.

A agência Ruptly, por sua vez, declarou não poder verificar a autenticidade da história.

De acordo com suas palavras, Khudr Mousa foi sequestrado em Adra, uma cidade perto de Damasco, em dezembro de 2013. Ele foi libertado na segunda-feira (9), como parte de um acordo entre o governo sírio e as forças militantes. Sua família e amigos lhe deram uma recepção de herói em sua cidade natal, Salamiyah, nesta quarta-feira (11).

Postar um comentário