Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

'Finja que não pode respirar': sírio expõe como terroristas chefiaram falso ataque químico

Ameaçado pelos militantes, um médico prisioneiro foi "forçado a encher seringas, fingindo que estava nos injetando para nos reanimar", diz um homem que durante anos foi refém do grupo terrorista Jaish al-Islam.


Sputnik

Um sírio, libertado segunda-feira na cidade de Douma (província de Ghouta Oriental) do cativeiro imposto pelo grupo Jaish al-Islam, explicou para a agência Ruptly como em 2015 os jihadistas o forçaram a encenar uma situação, que seria filmada, em que ele foi alegadamente vítima de um ataque com armas químicas.


Voluntários praticam resposta a ataque químico, Aleppo, Síria
Treinamento contra ataque químico em Aleppo, Síria © AFP 2018 / Jim Lopez

"Fomos [a Douma] e [Jaish al-Islam] nos reuniu e nos obrigou a tirar nossas camisas, dizendo que ‘o exército estava prestes a usar armas químicas'", disse Mohamed Khudr Mousa na quarta-feira (11).

"Deve fingir que armas químicas foram usadas contra você e que não pode respirar, derramaremos água em você para reanimar", lembra o homem sobre as ordens de seus sequestradores.

Mousa disse que um médico, também prisioneiro do grupo militante, foi "forçado a encher seringas, fingindo que estava nos injetando para nos reanimar".

"Eles [os membros do Jaish al-Islam] derramaram água sobre nós e nos forçaram a fingir que estávamos inconscientes, de acordo com suas ordens, então trouxeram uma câmera e nos filmaram", relatou. Em um comentário posterior, ele admitiu não saber se o vídeo em questão foi publicado.

A agência Ruptly, por sua vez, declarou não poder verificar a autenticidade da história.

De acordo com suas palavras, Khudr Mousa foi sequestrado em Adra, uma cidade perto de Damasco, em dezembro de 2013. Ele foi libertado na segunda-feira (9), como parte de um acordo entre o governo sírio e as forças militantes. Sua família e amigos lhe deram uma recepção de herói em sua cidade natal, Salamiyah, nesta quarta-feira (11).

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas