Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA vão suspender Tratado INF se Rússia não cumprir acordo, diz vice-secretário de Estado

Os EUA vão suspender suas obrigações no Tratado INF, que trata a respeito armas nucleares de médio alcance, no dia 2 de fevereiro se a Rússia não apresentar provas de que está cumprindo o acordo, disse o vice-secretário de Estado.
Sputnik

Em outubro, o presidente dos EUA anunciou que seu país abandonaria o Tratado INF, assinado pelos Estados Unidos e pela União Soviética em 1987.


Trump argumentou que Moscou estava desenvolvendo mísseis que violam esse pacto.

Em 4 de dezembro, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que Washington suspenderia sua adesão ao INF no prazo de 60 dias se a Rússia não voltasse a cumprir suas obrigações.

No entanto, a Rússia nega categoricamente todas as acusações. O líder russo, Vladimir Putin, declarou que Moscou se opõe à violação do Tratado INF, mas responderá se isso acontecer.

Grupo de ataque dos EUA, liderado por USS Harry S. Truman, se dirige ao Mediterrâneo

O jornal norte-americano, Stars and Stripes, revelou nesta terça-feira que um grupo de ataque naval dos EUA, liderado pelo porta-aviões USS Harry S. Truman, está se dirigindo para o mar Mediterrâneo, para atuar na costa da Europa e do Oriente Médio.


Sputnik

"O grupo de ataque Harry Truman partirá nesta quarta-feira da base militar naval de Norfolk, Virgínia, para Oriente Médio e Europa", informa a publicação.


Porta-aviões americano USS Harry S. Truman no Golfo de Omã
Porta-aviões norte-americano USS Harry S. Truman © Foto: U.S. Navy / C. Wickware

Segundo o jornal, o grupo será composto também pelo cruzador de mísseis guiados USS Normandy, pelos destróiers USS Arleigh Burke, USS Bulkeley, USS Forrest Sherman e USS Farragut. Mais tarde o grupo receberá reforços dos destróiers USS Jason Dunham e USS Sullivans.

Os navios de guerra transportarão um total de 6,5 mil militares.

A fragata alemã F221 Hessen também deve se unir ao grupo.

Os objetivos e eventuais alvos militares ainda não foram anunciados pelos EUA.

A partida do grupo naval de ataque acontece depois de uma série de declarações do presidente dos EUA, Donald Trump, sobre eventuais medidas de retaliação ao suposto ataque químico na cidade síria de Douma. Washington e seus aliados já parecem ter um culpado — Bashar Assad. Mesmo antes do fim das investigações do incidente.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas