Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Governo saudita diz que rei e príncipe herdeiro são 'linha vermelha'

O ministro de Relações Exteriores saudita, Adel al-Jubeir, afirmou que o rei Salman bin Abdulaziz e o príncipe Mohammed Bin Salman são uma "linha vermelha" para a Arábia Saudita e rejeitou o suposto envolvimento do herdeiro da coroa saudita no assassinato do jornalista Jamal Khashoggi.
EFE

Riad - "A liderança do reino da Arábia Saudita representada nas guardas das duas mesquitas sagradas (o rei) e o príncipe herdeiro são uma linha vermelha e não permitiremos tentativa algum de atacar nossos líderes", afirmou Al-Jubeir em entrevista publicada nesta terça-feira o jornal árabe internacional "Asharq Al-Awsat".


"Atacar os líderes do reino é tocar em todos os cidadãos", acrescentou.

O ministro fazia alusão às versões que vinculam o príncipe Mohammed com a morte do jornalista no consulado saudita em Istambul em 2 de outubro.

Veículos de imprensa americanos informaram na sexta-feira que a CIA tinha concluído que o herdeiro saudita ordenou o assassinato de Kh…

Grupo de ataque dos EUA, liderado por USS Harry S. Truman, se dirige ao Mediterrâneo

O jornal norte-americano, Stars and Stripes, revelou nesta terça-feira que um grupo de ataque naval dos EUA, liderado pelo porta-aviões USS Harry S. Truman, está se dirigindo para o mar Mediterrâneo, para atuar na costa da Europa e do Oriente Médio.


Sputnik

"O grupo de ataque Harry Truman partirá nesta quarta-feira da base militar naval de Norfolk, Virgínia, para Oriente Médio e Europa", informa a publicação.


Porta-aviões americano USS Harry S. Truman no Golfo de Omã
Porta-aviões norte-americano USS Harry S. Truman © Foto: U.S. Navy / C. Wickware

Segundo o jornal, o grupo será composto também pelo cruzador de mísseis guiados USS Normandy, pelos destróiers USS Arleigh Burke, USS Bulkeley, USS Forrest Sherman e USS Farragut. Mais tarde o grupo receberá reforços dos destróiers USS Jason Dunham e USS Sullivans.

Os navios de guerra transportarão um total de 6,5 mil militares.

A fragata alemã F221 Hessen também deve se unir ao grupo.

Os objetivos e eventuais alvos militares ainda não foram anunciados pelos EUA.

A partida do grupo naval de ataque acontece depois de uma série de declarações do presidente dos EUA, Donald Trump, sobre eventuais medidas de retaliação ao suposto ataque químico na cidade síria de Douma. Washington e seus aliados já parecem ter um culpado — Bashar Assad. Mesmo antes do fim das investigações do incidente.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas