Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Revista americana compara táticas de uso de robôs militares da Rússia e dos EUA

Depois dos testes do veículo de combate robótico Uran-9 na Síria, especialistas militares dos EUA analisaram o papel e o conceito de utilização de robôs em combate, tendo ainda comparado as caraterísticas dos robôs militares russos e norte-americanos.
Sputnik

Antes de tudo, o analista militar Charlie Gao da revista The National Interest prestou atenção à diferença fundamental na filosofia de planejamento militar dos EUA e da Rússia. 

Por exemplo, o Pentágono destaca cinco aplicações potenciais dos robôs. Entre elas estão a vigilância, o abastecimento de tropas, o apoio às tarefas cognitivas e físicas dos soldados, o aumento das capacidades de manobra, bem como a proteção das Forças Armadas. O exército norte-americano utiliza os robôs principalmente em tarefas auxiliares e de transporte de cargos.

Por sua vez, o Estado-Maior russo prevê usar os robôs em missões ofensivas, em ataques de vanguarda ou para neutralizar as posições do adversário em colaboração com as tropas convencionais.

"…

'Guerra é negócio': analista teme que EUA possam desencadear conflitos na América Latina

Seis países da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), Brasil, Chile, Peru, Argentina, Paraguai e Colômbia, anunciaram seu desejo de abandonar temporariamente a organização. Analista acredita que a decisão é um grande passo para trás.


Sputnik

A cientista política da Universidade de Buenos Aires, Sonia Winer, opinou à Sputnik Mundo que o abandono ameaça à integridade regional, incentiva conflitos entre Estados e afeta a proteção dos recursos naturais.


Uma patrulha de policiais durante os confrontos com manifestantes de oposição em San Cristobal, na Venezuela.
Confronto entre forças públicas venezuelanas e manifestantes © REUTERS / Carlos Eduardo Ramirez

"Essa desintegração visa não apenas criar obstáculos ao desenvolvimento de uma identidade regional própria e à unidade dos países da região, mas também enfraquecer a soberania territorial, a cooperação e a proteção de recursos naturais estratégicos, ou seja, aos objetivos do Conselho de Defesa Sul-Americano", opinou a analista.

Além disso, acredita Winer, a saída temporária dos seis países da Unasul "cria uma base para ingerências estrangeiras, em particular por parte do complexo militar-industrial dos EUA e do Reino Unido, o que já está acontecendo na região".

A especialista sublinha que tal situação mina os processos de resolução diplomática dos conflitos, pois "a única maneira de resolver conflitos para os EUA é a militar".

"Temo que os EUA possam provocar conflitos entre Estados na América Latina e propor soluções militares, porque a guerra é negócio", afirmou Winer.

Em 20 de abril, seis países latino-americanos (Brasil, Chile, Peru, Argentina, Paraguai e Colômbia) decidiram suspender suas atividades dentro da Unasul. Entres as razões principais para a decisão estão a "paralisia" e "falta de vontade" de eleger secretários-gerais e resolver os problemas administrativos.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas