Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Inspetores de armas químicas da OPAQ chegam ao local de suposto ataque na Síria

A missão da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) está se dirigindo em Douma, informou neste sábado a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova.


Sputnik

"De acordo com as informações fornecidas no sábado pela manhã, a missão especial da OPAQ que investiga o uso de armas químicas partiu para a Duma no suposto local de ataque químico", diz a declaração de Zakharova.


Laboratório químico de militantes na cidade síria de Douma
Laboratório químico dos terroristas encontrado em Douma © Sputnik / Mikhail Voskresensky

A porta-voz notou que a partida ocorreu apenas 11 dias depois que a secretaria técnica da OPAQ recebeu o pedido de Damasco.

"Tais atrasos em tal caso de ressonância, independentemente dos motivos são inaceitáveis, uma vez que a segurança do pessoal da OPAQ foi garantida não só pelo lado sírio, mas também pelo comando do contingente militar russo", disse Zakharova.

A porta-voz salientou que Moscou esperava dos inspetores uma investigação imparcial e observou que as tentativas da OPAQ de visitar menos lugares ligados a ataques químicos e questionar menos testemunhas oculares levantam sérias preocupações.

"Isso demonstra a relutância em lançar luz sobre mais uma provocação inventada com o uso de [gases] tóxicos, que serviram como motivo para o ataque com mísseis dos três países ocidentais membros do Conselho de Segurança da ONU", concluiu a porta-voz.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas