Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Irã promete permanecer em Damasco contra a 'agressão estrangeira' dos EUA e de Israel

As defesas antiaéreas sírias estão em estado de alerta desde que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ameaçou atacar aquele país em retaliação a um suposto ataque químico na cidade de Douma que ele acredita ter sido realizado pelo exército sírio ou outras forças do governo.


Sputnik

Um importante assessor de política externa do líder supremo do Irã prometeu "apoiar o governo da Síria" no caso de agressão militar pelos EUA.


Destacamento iraniano na Síria
Tropas iranianas na Síria © Sputnik/ Mikhail Voskresenky

Ali Velayati também disse que o Irã apóia a Síria em sua batalha contra o "regime sionista", referindo-se a Israel. Dois aviões de guerra israelenses atacaram a base aérea T-4 na província de Homs em 9 de abril, com duas aeronaves de combate atirando do espaço aéreo libanês para evitar as defesas aéreas sírias, que derrubaram um F-16 israelense em fevereiro. Mísseis terra-ar sírios (SAMs) teriam interceptado cerca de metade dos mísseis lançados por Israel no início desta semana.

"Vamos apoiar o governo da Síria contra qualquer agressão estrangeira… o Irã apóia a Síria em sua luta contra a América e o regime sionista [Israel]", disse Ali Velayati à TV estatal iraniana durante sua visita à região de Ghouta Oriental, na capital síria, em 11 de abril.

Os mísseis que atingiram seus alvos, 
a base aérea T-4, mataram sete militares iranianos.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas