Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Revista americana compara táticas de uso de robôs militares da Rússia e dos EUA

Depois dos testes do veículo de combate robótico Uran-9 na Síria, especialistas militares dos EUA analisaram o papel e o conceito de utilização de robôs em combate, tendo ainda comparado as caraterísticas dos robôs militares russos e norte-americanos.
Sputnik

Antes de tudo, o analista militar Charlie Gao da revista The National Interest prestou atenção à diferença fundamental na filosofia de planejamento militar dos EUA e da Rússia. 

Por exemplo, o Pentágono destaca cinco aplicações potenciais dos robôs. Entre elas estão a vigilância, o abastecimento de tropas, o apoio às tarefas cognitivas e físicas dos soldados, o aumento das capacidades de manobra, bem como a proteção das Forças Armadas. O exército norte-americano utiliza os robôs principalmente em tarefas auxiliares e de transporte de cargos.

Por sua vez, o Estado-Maior russo prevê usar os robôs em missões ofensivas, em ataques de vanguarda ou para neutralizar as posições do adversário em colaboração com as tropas convencionais.

"…

Irã reafirma que não aceita renegociar ou alterar acordo nuclear

O governo do Irã reafirmou nesta terça-feira em Genebra que não aceitará renegociar ou alterar o acordo nuclear firmado em 2015 pelo chamado Grupo 5+1 e acusou os Estados Unidos de agir de forma temerária ao ameaçar deixar o pacto.


EFE

Em uma reunião preparatória para a Conferência de Revisão do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares em 2020, o embaixador do Irã na ONU, Reza Najafi, reiterou o compromisso e a contribuição do país para o desarmamento e chamou o acordo de "êxito histórico".


Resultado de imagem para irã
Mesquita Sheikh Lotfollah vista do Palácio Ali Qapu na praça de Naqsh-e Jahan, em Esfahan, Irã | Bertha Makaroun - EM/D.A Press

"O Plano Integral de Ação Conjunta (JCPOA, em inglês), negociado com China, França, Alemanha, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos, além da União Europeia (UE), é um sucesso histórico da diplomacia multilateral", afirmou diplomata iraniano.

"A importância vital do JPCOA é um modelo para a solução para questões técnicas e eventualmente complexas, amplamente reconhecido. O Irã implementou plenamente seus compromissos do acordo nos últimos três anos, como confirmaram em dez ocasiões os relatórios da Agência Internacional de Energia Atômica (OEIA) desde 2016", completou.

O diplomata iraniano ainda afirmou que o governo dos EUA deu um ultimato alguns dos países que assinaram o JCPOA para alterá-lo.

O presidente dos EUA, Donald Trump, precisa decidir no próximo dia 12 de maio se segue no pacto. No entanto, o republicano quer acrescentar cláusulas no acordo para torná-lo mais rígido.

"A nossa resposta é clara e firme: não, o JCPOA não será renegociado ou alterado", ressaltou Najafi, acusando os EUA de ter violado continuamente os termos do acordo, especialmente com ações para coagir os outros participantes a descumprirem suas promessas.

"Os Estados Unidos devem prestar contas por qualquer consequência de suas temerárias políticas contra o JPCOA", ressaltou.

De acordo com o Irã, a insistência dos EUA em renegociar o acordo viola um tratado negociado multilateralmente e envia uma "mensagem inequívoca" ao mundo de que os americanos não são confiáveis.

"Pedimos que os EUA deixem de violar seus compromissos com o JPCOA", afirmou o embaixador iraniano.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas