Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Governo saudita diz que rei e príncipe herdeiro são 'linha vermelha'

O ministro de Relações Exteriores saudita, Adel al-Jubeir, afirmou que o rei Salman bin Abdulaziz e o príncipe Mohammed Bin Salman são uma "linha vermelha" para a Arábia Saudita e rejeitou o suposto envolvimento do herdeiro da coroa saudita no assassinato do jornalista Jamal Khashoggi.
EFE

Riad - "A liderança do reino da Arábia Saudita representada nas guardas das duas mesquitas sagradas (o rei) e o príncipe herdeiro são uma linha vermelha e não permitiremos tentativa algum de atacar nossos líderes", afirmou Al-Jubeir em entrevista publicada nesta terça-feira o jornal árabe internacional "Asharq Al-Awsat".


"Atacar os líderes do reino é tocar em todos os cidadãos", acrescentou.

O ministro fazia alusão às versões que vinculam o príncipe Mohammed com a morte do jornalista no consulado saudita em Istambul em 2 de outubro.

Veículos de imprensa americanos informaram na sexta-feira que a CIA tinha concluído que o herdeiro saudita ordenou o assassinato de Kh…

Kremlin alerta contra qualquer ato que possa desestabilizar a Síria

A Rússia advertiu nesta quarta-feira aos Estados Unidos e seus aliados contra qualquer ato que possa desestabilizar a "frágil" situação na Síria.


EFE

"Estamos confiantes de que todas as partes evitarão tomar medidas que, de fato, não foram provocadas por ninguém e que podem desestabilizar seriamente a já frágil situação na região", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, aos jornalistas.


Resultado de imagem para Dmitry Peskov
Porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov | Reprodução

Desta forma, o Kremlin comentou a possibilidade dos EUA lançarem um ataque aéreo na Síria em represália pelo suposto ataque químico em Duma, atribuído pelos americanos ao governo sírio.

Moscou quer uma investigação "imparcial e objetiva" da situação, para poder basear seu julgamento em dados "confiáveis" e não rumores ou "informações vazias" divulgadas pelos meios de comunicação, acrescentou o porta-voz.

"Trata-se de um assunto muito sério para fazer conclusões que não dão em nada", disse.

"A situação é realmente frágil e há uma necessidade de segui-la de perto, mas, repito, não julguemos por informações nos jornais, que além disso se baseiam em fontes pouco confiáveis", acrescentou.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, informou previamente sobre os planos de Washington de responder "contundentemente" ao suposto ataque com armas químicas que aconteceu o sábado na cidade síria de Duma, no qual 42 pessoas morreram com sintomas de terem sido expostas a um agente nocivo.

A Rússia, por sua vez, defende que as acusações de uso de armas químicas em Duma por parte das forças governamentais sírias são uma tentativa de justificar uma intervenção militar no país árabe.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas