Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa russa: avião Il-20 foi derrubado por mísseis sírios S-200

De acordo com o ministério russo, o sistema de defesa aérea sírio tentava atacar um avião de Israel. No entanto, a tripulação israelense fez uma manobra especial para se proteger, e o míssil acabou atingindo acidentalmente o avião russo Il-20.
Sputnik

O avião Il-20 desapareceu dos radares em 17 de setembro, por volta das 23h do horário de Moscou, (17h em Brasília) durante o retorno planejado à base aérea de Hmeymim, acima do território do mar Mediterrâneo, a 35 quilômetros da costa da Síria, informou o comunicado do Ministério da Defesa da Rússia. O represente oficial da Defesa russa, Igor Konashenkov sublinhou que os aviões israelenses "propositalmente criaram uma situação perigosa para navios e aviões nessa região".

Na opinião dele, para evitar o ataque sírio, a tripulação israelense acabou tornando o Ilyushin-20 alvo de ataque.

"Ao tentarem proteger-se com ajuda do avião russo, os pilotos israelenses o puseram debaixo de fogo do sistema de defesa antiaérea da Síria"…

Kremlin alerta contra qualquer ato que possa desestabilizar a Síria

A Rússia advertiu nesta quarta-feira aos Estados Unidos e seus aliados contra qualquer ato que possa desestabilizar a "frágil" situação na Síria.


EFE

"Estamos confiantes de que todas as partes evitarão tomar medidas que, de fato, não foram provocadas por ninguém e que podem desestabilizar seriamente a já frágil situação na região", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, aos jornalistas.


Resultado de imagem para Dmitry Peskov
Porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov | Reprodução

Desta forma, o Kremlin comentou a possibilidade dos EUA lançarem um ataque aéreo na Síria em represália pelo suposto ataque químico em Duma, atribuído pelos americanos ao governo sírio.

Moscou quer uma investigação "imparcial e objetiva" da situação, para poder basear seu julgamento em dados "confiáveis" e não rumores ou "informações vazias" divulgadas pelos meios de comunicação, acrescentou o porta-voz.

"Trata-se de um assunto muito sério para fazer conclusões que não dão em nada", disse.

"A situação é realmente frágil e há uma necessidade de segui-la de perto, mas, repito, não julguemos por informações nos jornais, que além disso se baseiam em fontes pouco confiáveis", acrescentou.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, informou previamente sobre os planos de Washington de responder "contundentemente" ao suposto ataque com armas químicas que aconteceu o sábado na cidade síria de Duma, no qual 42 pessoas morreram com sintomas de terem sido expostas a um agente nocivo.

A Rússia, por sua vez, defende que as acusações de uso de armas químicas em Duma por parte das forças governamentais sírias são uma tentativa de justificar uma intervenção militar no país árabe.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas