Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Lavrov diz que Moscou possui 'provas irrefutáveis' da encenação química na Síria

A Rússia possui provas irrefutáveis de que um alegado ataque químico na cidade síria de Douma foi uma encenação organizada inclusive por serviços secretos estrangeiros, assegurou o chefe do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov.


Sputnik

"Dispomos de dados irrefutáveis de que foi mais uma encenação e que nesta encenação se envolveram serviços secretos de um país que hoje em dia se esforça para estar nas primeiras fileiras da campanha russofóbica", declarou Lavrov nesta sexta-feira (13) durante briefing em Moscou.


Resultado de imagem para sergei lavrov
Sergei Lavrov | Reprodução

O chanceler fez lembrar que, recentemente, um grupo de especialistas da OPAQ (Organização para a Proibição de Armas Químicas) partiu para o território sírio.

"Ele deve chegar a Damasco, se não me engano, amanhã de manhã, e esperamos que vá para Douma sem demoras, onde nossos especialistas, que inspecionaram o local, não acharam nenhuma prova do uso de armas químicas, cloro ou qualquer outra substância", explicou.

No fim da semana passada, o Ocidente acusou Damasco de realizar ataque químico na cidade de Douma, em Ghouta Oriental. Moscou refutou os relatos sobre a suposta bomba de cloro, supostamente lançada por militares sírios.

Já a chancelaria russa tem afirmado que o objetivo destes vazamentos é defender os terroristas e justificar os possíveis ataques de fora.

Ao mesmo tempo, ainda em 13 de março, o Estado-Maior da Rússia comunicou sobre provocações com armas químicas que estariam sendo preparadas em Ghouta Oriental.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas