Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Manifestações na fronteira entre Gaza e Israel na terceira semana consecutiva

Os confrontos eclodiram quando milhares de palestinos se reuniram na fronteira de Gaza para outra manifestação em massa contra a ocupação israelense pela terceira semana consecutiva, desafiando a presença militar do regime lá.


Pars Today

A AFP relatou confrontos entre manifestantes que atiraram pedras e tropas israelenses em dois locais.


Manifestações na fronteira entre Gaza e Israel na terceira semana consecutiva
Manifestação em Gaza | Reprodução

Espera-se que milhares de pessoas participem da terceira sexta-feira da Marcha dos Comícios de Retorno, que começou em 30 de março. Grandes grupos de pessoas já chegaram à cerca que separa Gaza dos territórios ocupados por Israel.

Como tema desta sexta-feira, os manifestantes planejam queimar bandeiras israelenses e içar bandeiras palestinas ao invés da fronteira de Gaza.

O regime israelense implantou franco-atiradores e tanques antes do protesto.

Mais de 30 palestinos foram mortos pelas forças israelenses nas primeiras duas semanas dos comícios.

Nas últimas mortes, dois palestinos foram mortos na quinta-feira por forças israelenses, um foi baleado no peito durante uma manifestação de protesto em Khuza'a, perto da cidade de Khan Younis, e o outro foi atingido por um ataque aéreo israelense.

Os manifestantes estão sendo mortos enquanto não representam ameaça aos soldados. Os franco-atiradores do regime têm permissão para abrir fogo contra os gazanos desarmados.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas