Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Governo saudita diz que rei e príncipe herdeiro são 'linha vermelha'

O ministro de Relações Exteriores saudita, Adel al-Jubeir, afirmou que o rei Salman bin Abdulaziz e o príncipe Mohammed Bin Salman são uma "linha vermelha" para a Arábia Saudita e rejeitou o suposto envolvimento do herdeiro da coroa saudita no assassinato do jornalista Jamal Khashoggi.
EFE

Riad - "A liderança do reino da Arábia Saudita representada nas guardas das duas mesquitas sagradas (o rei) e o príncipe herdeiro são uma linha vermelha e não permitiremos tentativa algum de atacar nossos líderes", afirmou Al-Jubeir em entrevista publicada nesta terça-feira o jornal árabe internacional "Asharq Al-Awsat".


"Atacar os líderes do reino é tocar em todos os cidadãos", acrescentou.

O ministro fazia alusão às versões que vinculam o príncipe Mohammed com a morte do jornalista no consulado saudita em Istambul em 2 de outubro.

Veículos de imprensa americanos informaram na sexta-feira que a CIA tinha concluído que o herdeiro saudita ordenou o assassinato de Kh…

Médicos de Douma desmentem ter atendido pacientes com sinais de envenenamento químico

Os médicos da cidade síria de Douma, onde supostamente aconteceu um ataque químico, afirmaram não terem recebido pacientes com sinais de envenenamento químico, comunicou nesta segunda-feira (9), o Centro Russo de Reconciliação na Síria.


Sputnik

"Os representantes do centro falaram com os médicos e funcionários do hospital da cidade de Douma. Eles desmentiram as informações sobre os alegados pacientes com sinais de envenenamento químico", lê-se no comunicado do centro russo.


Cidade síria de Douma
Douma, Síria © REUTERS/ Bassam Khabieh

Além disso, representantes russos comunicaram que o médico do hospital de Douma, Yasser Abdul Majid, contou que "nem no fim de semana, nem anteriormente, desde o início das ações militares na Síria, eles não receberam pessoas com envenenamento químico".

Segundo o médico, citado pelo Centro Russo de Reconciliação na Síria, todas as pessoas atendidas "tinham traumas comuns, fraturas, ferimentos por estilhaços e por balas".

As palavras do médico foram confirmadas pelo motorista da ambulância, Ahmed Saur, que há muitos anos trabalha na região. De acordo com ele, nunca viu essas vítimas de ataque químico.

Anteriormente, os médicos do Crescente Vermelho Árabe Sírio (SARC) também não confirmaram as informações sobre o atendimento de pacientes com sinais de envenenamento químico.

No dia 7 de abril, várias mídias, citando fontes militares da área, acusaram Damasco do alegado ataque com bomba de cloro gasoso na cidade de Douma, situada em Ghouta Oriental, o que supostamente resultou na morte de dezenas de civis.

Por sua vez, as autoridades sírias vêm negando todas as acusações, afirmando ter avisado que os radicais na área estavam planejando provocações com o uso de armas químicas.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump e o presidente da França, Emmanuel Macron, concordaram em coordenar uma resposta conjunta ao suposto uso de armas químicas na Síria. Por sua vez, a Rússia e o Irã condenaram as acusações, qualificando as acusações como infundadas.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas