Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Mídia dos EUA suspeita que Pentágono minta sobre defesa antiaérea russa

Os responsáveis do Pentágono rebaixam deliberadamente a eficácia dos meios de defesa antiaérea russa para persuadir a Turquia a não comprar os sistemas de mísseis S-400, apontou nessa segunda-feira (23) o jornal norte-americano National Interest.


Sputnik

A edição citou vários responsáveis dos EUA que afirmam que os meios da defesa antiérea síria de fabricação russa não foram capazes de repelir nenhum dos ataques dos EUA e seus aliados que ocorreram em 14 de abril. Além disso, o Departamento de Defesa dos EUA indicou que a Rússia não utilizou seus sistemas de defesa antiaérea durante os mencionados ataques contra o território da Síria. 


Os sistemas S-400
Sistema antiaéreo russo S-400 Triumph © Sputnik / Alexander Vilf

Contudo, de acordo com a edição, as afirmações do Pentágono sobre a "ineficácia" dos S-300 e S-400 contradizem os gastos dos EUA, estimados em bilhões de dólares, destinados a promover as tecnologias furtivas com o intuito de contornar os meios de defesa antiaérea russos, podendo ter como objetivo persuadir seu aliado na OTAN, a Turquia, a abdicar da compra dos S-400.

Especialistas citados pelo jornal acreditam que, durante a próxima reunião do Comitê de Serviços Armados do Senado dos EUA, os funcionários do Pentágono irão novamente falar sobre as ameaças dos S-300, S-400, bem como sobre outros meios de defesa antiaérea de fabricação russa para justificar seus programas e gastos militares.

No recente ataque à Síria, os EUA, o Reino Unido e a França dispararam mais de cem mísseis, dos quais 71 foram repelidos pela defesa antiaérea síria. Felizmente, o ataque não provocou vítimas, causando somente alguns danos materiais. A Rússia não utilizou suas forças já que os aviões dos EUA e aliados não entraram na zona de responsabilidade da defesa antiaérea russa.

Em dezembro do ano passado, a Rússia e a Turquia fecharam um contrato para o fornecimento dos sistemas S-400 a Ancara. Tal acordo causou fortes críticas por parte de Washington, que afirmou a prontidão de fornecer a Ancara sistema de defesa antiaérea alternativos, "compatíveis com os padrões da OTAN".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas