Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Militares norte-americanos deixarão mesmo Síria?

Em discurso na quinta-feira (29) em Richfield, Ohio, o presidente norte-americano, Donald Trump, declarou que para os EUA "chegou a hora de deixar a Síria". "Que outras pessoas tratem do assunto", declarou ele, adicionando que muito em breve o país vai sair da Síria e voltar à pátria.


Sputnik

O especialista em assuntos sírios e professor de Relações Internacionais da Universidade de Damasco, Bassam Abu Abdallah, comentou a declaração de Trump em entrevista à Sputnik Árabe. "Estamos acostumados ao fato de Trump fazer muitas declarações que nunca serão postas em prática", adicionando que a presença das Forças Armadas dos EUA na Síria resultou na destruição e aniquilação da infraestrutura do país. "O plano de libertação de Raqqa é um exemplo de destruição premeditada", frisou.


Veículos da coalizão liderada pelos EUA na cidade de Manbij, no norte da Síria
Tropas da coalizão liderada pelos EUA no norte da Síria © AFP 2018/ Delil SOULEIMAN

De acordo com Abdallah, Washington tentou evitar realização de qualquer investigação internacional que poderia revelar a situação de hoje em Raqqa e sua verdadeira relação com o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia), adicionando que os EUA usam terrorismo para alcançar objetivos geopolíticos, mas, com a derrota do Daesh, acabaram por fracassar.

Por sua vez, o Departamento de Estado dos EUA nega qualquer informação sobre os planos da retirada das tropas estadunidenses da Síria. "Não sei [sobre tal política]", afirmou a porta-voz da Casa Branca, Heather Nauert, respondendo à pergunta se sabe algo sobre a "retirada da Síria".

O membro do Partido Democrático dos EUA, cientista político Mac Sharkawy, disse que "a declaração de Trump pegou todos de surpresa. O Departamento de Estado também não estava sabendo. Além do mais, entre o Departamento e o Pentágono não há nenhuma coordenação".

"Há uma falta de entendimento entre Donald Trump, secretário de Defesa e secretário do Interior, o que significa que na Casa Branca reina o caos", ressaltou o político norte-americano.

No entanto, o príncipe saudita, Mohammad bin Salman, declarou que a presença do contingente militar dos EUA na Síria é necessária. Para ele, a saída dos militares estadunidenses do país árabe significaria a perda de um ponto de controle muito importante.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas