Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Super Tucano em teste pela Força Aérea dos EUA sofre acidente

Queda sem causa ainda definida é má notícia para a fabricante brasileira, que disputa concorrência com americanos
Igor Gielow | Folha de S.Paulo

Um turboélice A-29 Super Tucano, fabricado pela Embraer, caiu durante um exercício de ataque leve conduzido pela Força Aérea dos EUA em um campo de provas do Novo México, na sexta (22).

Dois tripulantes conseguiram se ejetar. Segundo comunicado da base de Holloman, um dele se feriu levemente e foi medicado, enquanto não há detalhes do estado do segundo. A causa do acidente não foi divulgada.

O avião participa da fase final da competição para fornecimento de aviões leves para missões de ataque a solo e reconhecimento. Inicialmente, os EUA querem adquirir 15 unidades, para depois expandir a até 120. Elas servirão para substituir o famoso A-10 Warthog (Javali, em inglês), um modelos subsônico a jato fortemente armado e blindado que opera desde 1977.

Os americanos estão procurando opções mais econômicas para a missão. Enquanto um A-10 tem sua hora-voo…

'Não permitiremos que estraguem a Páscoa': Letônia fica indignada com exercícios russos

O político letão Artis Pabriks, deputado do Parlamento Europeu, expressou descontentamento com as futuras manobras russas, apelando, no entanto, a não temer os "exercícios russos".


Sputnik

Em declaração no seu Twitter, o eurodeputado afirmou que "a Letônia não permitirá que a Rússia estrague a Páscoa [com suas manobras militares]", referindo-se aos disparos de mísseis russos no mar Báltico, planejados para o período entre 4 e 6 de abril.


Navio ligeiro de mísseis Grad Sviyazhinsk dispara míssil Kalibr
Navio ligeiro de mísseis Grad Sviyazhinsk disparando um míssil Kalibr © Sputnik/ Denis Abramov

"Vamos estar vigilantes, vamos continuar atentos e seguros de nós e de nossos Estado e liberdade. Não permitiremos que estraguem a Páscoa", diz a postagem de Pabriks no Twitter.

O político também lamentou os prejuízos econômicos que a Suécia, Polônia e Lituânia irão sofrer devido às manobras russas, pois estas interromperão o tráfego marítimo.

Ainda por cima, o deputado disse que a Rússia possui território suficiente para realizar exercícios, qualificando as futuras manobras de "sinal de ameaça".

Porém, o Ministério da Letônia reconheceu que, conforme os acordos internacionais, a Rússia tem o direito de realizar tais treinamentos no mar Báltico.

Anteriormente os serviços de controlo aéreo da Rússia tinham informado a Letônia sobre manobras de mísseis entre 4 e 6 de abril em uma área do mar na zona econômica exclusiva letã. Riga, por sua vez, achou preocupantes os planos de Moscou e chamou o adido militar russo para receber informações detalhados sobre as futuras manobras.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas