Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

OPAQ confirma ausência de armas químicas em laboratório de Damasco

A Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) confirmou a ausência de armas químicas no Centro de Estudos Barza, em Damasco, onde, de acordo com dados de Washington, produziram substâncias tóxicas, afirmou a jornalistas durante briefing Sergei Rudskoy, chefe da Direção-Geral Operacional do Estado-Maior das Forças Armadas russas.


Sputnik

De acordo com Rudskoy, até o ano de 2013, o centro Barza, sendo este um dos alvos dos ataques da coalizão internacional, realmente organizou estudos na área de proteção de armas químicas, envolvendo várias substâncias tóxicas, permitidas pela Convenção sobre as Armas Químicas.


Etiquetas da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) vistas em uma casa destruída em Douma, 23 de abril de 2018
Etiquetas da OPAQ encontradas em Douma, Síria © REUTERS / Ali Hashisho

"Em 2017, a OPAQ inspecionou os laboratórios do mesmo centro. De acordo com os resultados, foi confirmada a ausência de qualquer atividade relacionada à produção e ao desenvolvimento de substâncias tóxicas", assinalou o chefe da Direção-Geral Operacional.

Além disso, Sergei Rudskoy assinalou que, após os ataques da coalizão dos EUA a supostos alvos com substâncias tóxicas na Síria, milhares de pessoas visitaram o local sem quaisquer meios de proteção, e ninguém foi envenenado.

"Logo após os ataques, muitas pessoas visitaram as instalações destruídas sem quaisquer meios de proteção. Nenhum deles foi envenenado com substâncias tóxicas", disse.

O chefe da Direção-Geral Operacional enfatizou também que, para definir o nível da provável contaminação do local no resultado do ataque com mísseis e ameaça aos civis, especialistas russos recolheram todas as amostras necessárias no laboratório Barza.

"A análise deles não revelou presença de substâncias químicas na instalação destruída, o que é confirmado pela conclusão correspondente. Isso evidencia que a atividade realizada no Centro de Estudos não envolvia substâncias tóxicas", assinalou.

Além do mais, Rudskoy apontou ser muito estranha a decisão dos EUA, do Reino Unido e da França de realizar ataque a supostas instalações químicas.

"Se, para eles, nas instalações houvesse realmente estoque de substâncias tóxicas, então, após os ataques com mísseis de cruzeiro, poderiam ter surgido grandes focos de contaminação do local. E em Damasco, sem dúvidas, teriam morrido dezenas de milhares de pessoas", enfatizou.

Sergei Rudskoy ressaltou que, em qualquer país, instalações que se dedicam ao estudo do desenvolvimento de armas químicas e ao armazenamento de munições são muito bem protegidas devido à grande ameaça para as pessoas.

"Contudo, nada foi constatado nas três instalações citadas, pois eram apenas prédios a hangares simples", concluiu.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas