Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Operação dos EUA na Síria é repleta de mentiras, diz senador russo

O senador russo, Aleksei Pushkov, declarou neste domingo (15) que toda a operação dos EUA na Síria é repleta de mentiras. Segundo ele, são falsas as alegações de que os ataques atingiram alvos com armas químicas.


Sputnik

"Os ataques de mísseis dos EUA supostamente contra alvos químicos na Síria são puro 'fake', assim como o chamado ataque químico em Douma: hoje pessoas andam sem proteção por esses supostos alvos químicos e não caem em convulsões, espumando pela boca. Toda a operação de mísseis dos EUA é repleta de mentiras, do começo ao fim", disse ele.


Militar norte-americano na cidade de Manbij, Síria
Tropas dos EUA em Manbij, Síria © AP Photo/ Hussein Malla

Os Estados Unidos, a França e o Reino Unido realizaram um ataque de mísseis na manhã deste sábado (14) contra alvos sírios, que, de acordo com estes países, são usados para a produção de armas químicas. Foram lançados mais de 100 mísseis, sendo que grande parte foi interceptada pelo sistema de defesa da Síria.

A Rússia apresentou um projeto no Conselho de Segurança da ONU condenando a agressão contra a Síria por parte dos EUA e seus aliados, exindo o fim das hostilidades. O documento não foi aprovado.

As forças da Rússia não se envolveram no ataque, mas monitoraram todos os lançamentos. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, classificou o ataque como um ato de agressão contra um Estado soberano, tendo em vista que os supostos ataques químicos por parte das forças da Síria não foram confirmados por peritos militares russos e moradores locais.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas