Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Governo saudita diz que rei e príncipe herdeiro são 'linha vermelha'

O ministro de Relações Exteriores saudita, Adel al-Jubeir, afirmou que o rei Salman bin Abdulaziz e o príncipe Mohammed Bin Salman são uma "linha vermelha" para a Arábia Saudita e rejeitou o suposto envolvimento do herdeiro da coroa saudita no assassinato do jornalista Jamal Khashoggi.
EFE

Riad - "A liderança do reino da Arábia Saudita representada nas guardas das duas mesquitas sagradas (o rei) e o príncipe herdeiro são uma linha vermelha e não permitiremos tentativa algum de atacar nossos líderes", afirmou Al-Jubeir em entrevista publicada nesta terça-feira o jornal árabe internacional "Asharq Al-Awsat".


"Atacar os líderes do reino é tocar em todos os cidadãos", acrescentou.

O ministro fazia alusão às versões que vinculam o príncipe Mohammed com a morte do jornalista no consulado saudita em Istambul em 2 de outubro.

Veículos de imprensa americanos informaram na sexta-feira que a CIA tinha concluído que o herdeiro saudita ordenou o assassinato de Kh…

Opinião: Bombardeio sem consequências, mas com uma mensagem

A boa notícia: a Terceira Guerra Mundial ainda não começou. A má é que a intervenção das três potências ocidentais também não melhora em nada a situação da Síria, opina o jornalista Christian F. Trippe.


Christian Trippe | Deutsch Welle

Provavelmente só daqui a algum tempo saberemos quão perto o mundo esteve do precipício de uma guerra entre as superpotências nucleares Estados Unidos e Rússia, em meados de abril de 2018. No momento, só parece claro que os EUA, Reino Unido e França se contiveram, que suas ofensivas se restringiram a alvos na Síria ligados à produção e armazenamento de substâncias químicas de combate.


Jato francês decola para participar do bombardeio na Síria
Jato inglês Typhoon decola para participar do bombardeio na Síria

Vítimas civis – a julgar elo atual estado das informações e com toda cautela que exige qualquer avaliação dos acontecimentos na Síria –, não houve praticamente nenhuma.

Nos últimos dias, traçaram-se constantemente paralelos com a crise de Cuba, a confrontação entre a União Soviética e os EUA em 1962. Do ponto de vista retórico, sem dúvida o mundo já estava (e está) novamente nesse ponto – pelo menos se o critério forem os alucinados tuítes de Donald Trump, acrescidos pelas ameaças abertas dos oficiais russos.

Naquela época, contudo, a questão era preservar a primazia da política, diante dos generais e dos "Doutores Fantásticos". A tática teve sucesso 56 anos atrás: a crise permaneceu no campo da política.

Agora, entretanto, nos últimos dias antes das ofensivas aéreas sobre a Síria, escutaram-se de ambos os lados do Atlântico advertências que às vezes soavam como suspiros de impotência: tomara que desta vez a racionalidade dos militares prevaleça. Racionalidade dos generais contra a falta de noção e de escrúpulos dos políticos: só mesmo tendo um tipo especial de humor político para achar graça nessa situação.

Recordando mais uma vez: milhares de soldados russos estão estacionados na Síria, combatendo do lado das tropas do dirigente Bashar al-Assad. Dois meses atrás, mercenários russos já haviam sido mortos em ataques da Força Aérea americana no Norte da Síria, sem que daí resultasse uma crise. A coalizão contra o "Estado Islâmico" (EI), liderada pelos EUA, opera naquela região. Desta vez os alvos das investidas aéreas foram escolhidos de modo que nenhum soldado russo fosse atingido.

O canal de comunicação entre a liderança militar americana e o Estado-maior russo parece estável. Há bastante tempo especialistas relatam que o intercâmbio objetivo e minimamente confiável entre os oficiais de alto escalão de ambos os lados pouco sofreu, apesar da nova confrontação Leste-Oeste.

A Síria é talvez o palco de guerra mais confuso da história. Repetidamente têm se confrontado lá tropas cujas nações de origem ou ainda são aliadas nominais ou profundas inimigas do ponto de vista político.

A guerra civil no país está decidida pela intervenção da Rússia, em apoio a Assad, e pela aliança da Síria com o Irã. Os assim chamados "ataques de retaliação" das três potências ocidentais em nada mudam esse fato. No entanto, não são privados de sentido.

Com as atuais ofensivas aéreas, Washington, Londres e Paris deixam claras duas coisas: o emprego de armas banidas de extermínio em massa não fica sem consequências; não se admite a cínica negação e acobertamento de crimes de guerra, e não importa quem venha dar apoio, colocando em movimento sua máquina de propaganda.

Além disso, as potências mundiais não abandonarão o campo sem maiores comentários, mesmo tendo atrás de si anos de política falha, indefinida e claudicante. O Oriente Médio está diante de uma nova ordem, que não deverá ser decidida exclusivamente em Moscou e Teerã. Essa é a dupla mensagem dos bombardeios às fábricas químicas de Assad.

Acrescente-se um terceiro ponto: os EUA não agiram sós, mas sim em aliança com a França e o Reino Unido, não só em frente unida militar, mas também em estreita coordenação política. No ano dois da regência de Donald Trump, trata-se, sem dúvida, de uma boa notícia desta manhã de sábado.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas