Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

Opinião: EUA 'tiveram e continuarão tendo problemas' no céu sobre Síria

O Pentágono afirmou que os aviões da Força Aérea dos EUA na Síria enfrentaram meios de guerra eletrônica. Analista militar explica por que não nos devemos surpreender com a notícia.


Sputnik

Anteriormente, o comandante da Força de Operações Especiais das Forças Armadas dos EUA, general Tony Thomas, declarou que "adversários" estão bloqueando os sistemas dos aviões estadunidenses AC-130 na Síria com meios de guerra eletrônica sem especificar quem exatamente o faz.


Caça F-16 da Bélgica recebe combustível de um KC-10 da Força Aérea americana durante missão da operação Inherent Resolve no Iraque e na Síria
F-16 Fighting Falcon © REUTERS / Hamad I Mohammed

Analista militar Igor Korotchenko opinou por que a aviação dos EUA está tendo problemas na Síria.

"Não dispomos das fontes da informação norte-americana quanto ao assunto, por isso pode ser tanto um exagero da situação como a verdade […] É importante entender que as ações das forças estadunidenses na Síria são ilegais do ponto de vista do direito internacional", comentou o analista.

Segundo ele, a presença dos militares no país árabe deve ser considerada como agressão internacional.

"Os Estados Unidos não têm direito de estar presentes nem no céu sobre a Síria, nem no seu território, por isso é que eles tiveram e continuarão tendo problemas", concluiu.

Outro especialista, o coronel aposentado Andrei Golovatyuk, sublinhou que nos últimos anos os EUA não têm sido enfrentados por meios de guerra eletrônica, daí toda a preocupação.

"As forças contra as quais [os Estados Unidos] combateram no Iraque, Afeganistão e Líbia não tinham meios de ataque modernos, meios de inteligência modernos ou meios de guerra eletrônica modernos", comentou ele no ar do serviço russo da Rádio Sputnik.

Golovatyuk destaca que logo que os militares estadunidenses enfrentaram meios de guerra eletrônica modernos, e os não muito modernos sistemas de defesa antiaérea sírios, acabou sendo claro que o exército dos EUA não está tão bem preparado.

"Seus sucessos na Síria parecem bastante duvidosos, o que foi provado pelos fracos resultados do recente ataque à Síria. Eles estão mal preparados e tentam agora encontrar uma justificação para isso, alguém 'responsável'", concluiu.

Em 14 de abril, os EUA, Reino Unido e França lançaram um ataque de mísseis contra instalações governamentais sírias onde estariam sendo produzidas armas químicas. O ataque não deixou vítimas mortais, nem causou danos materiais significativos.

Comentários

Postagens mais visitadas