Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Para que Rússia precisa de mísseis de cruzeiro dos Estados Unidos 'capturados'?

Uma revista norte-americana previu o destino dos mísseis de cruzeiro dos EUA que foram capturados pela Rússia. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista militar Aleksei Podberezkin tentou esclarecer quais seriam as finalidades da Rússia no que diz respeito aos mísseis capturados.


Sputnik

Mais anteriormente, o Ministério da Defesa da Rússia mostrou pedaços dos mísseis que foram lançados na Síria pelos EUA, Reino Unido e França em 14 de abril. Entre o equipamento militar, foi exposto um míssil Tomahawk que não atingiu o alvo por problemas técnicos. Sergei Rudskoy, chefe da Direção-Geral Operacional do Estado-Maior das Forças Armadas russas, declarou que os dados recebidos durante a análise dos mísseis americanos podem ser usados para melhorar as armas da Rússia.


Lançamento de míssil Tomahawk (foto de arquivo)
Lançamento de míssil Tomahawk © AP Photo / Kenneth Moll

A revista norte-americana Popular Mechanics tentou prever o destino dos mísseis de cruzeiro estadunidenses que foram capturados pela Rússia. Para os especialistas da edição, depois de estudar mísseis inimigos, torna-se muito mais fácil de destruí-los.

A Popular Mechanics acredita que os mísseis "capturados" serão usados em testes. Normalmente, com ajuda do suporte de testes são analisados os comandos do sistema de precisão do míssil. "Essa primeira avaliação é somente o início da 'morte' do míssil capturado", escreve a revista.

Futuros testes podem durar anos e, finalmente, levar ao "suicídio" do míssil.

"O combate eterno entre os designers norte-americanos e russos de equipamento militar vai continuar", resumiram especialistas estadunidenses.

O diretor do Centro de Estudos Militares e Políticos do Instituto Estatal de Moscou de Relações Internacionais (MGIMO) Aleksei Podberezkin, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, explicou quais seriam os objetivos da análise dos mísseis americanos.

"É claro que tudo que restou destes mísseis será minuciosamente estudado na Rússia agora. Antes de tudo, para aumentar as capacidades de combate contra eles", ressaltou, acrescentando que, em primeiro lugar, trata-se da "determinação do espaço indicado nos radares já que as imprecisões podem ser muito grandes".

Para o analista, a Rússia quer detalhar a base microeletrônica e capacidades de pontaria dos mísseis.

Aleksei Podberezkin frisou que o objetivo é estudar a instalação de movimentação. "Está em curso modernização constante dos mísseis de cruzeiro na Rússia e nos EUA, e as novas gerações ou até uma simples modificação de algum míssil já o tornam completamente diferente dos modelos anteriores", afirmou.

"No entanto, não acredito que o que restou dos mísseis norte-americanos tem grande importância", concluiu o especialista.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas