Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Vídeo mostra momento do encontro do submarino argentino Ara San Juan

Profissionais que operavam um dos veículos submarinos foram os primeiros a ver em tela as imagens da embarcação, que estava desaparecida desde 15 de novembro do ano passado. Submarino foi localizado a 907 metros de profundidade.
Por G1

Um vídeo divulgado neste domingo (18) mostra as primeiras imagens do submarino Ara San Juan, no momento em que profissionais da empresa Ocean Infinity o localizaram. O encontro foi anunciado pela Marinha da Argentina na madrugada de sábado.


No vídeo é possível ver quando a equipe que opera um dos veículos que fazia as buscas vê a embarcação pela primeira vez em uma região de cânions (espécie de rios submarinos), a 907 metros de profundidade, e a 600 km da cidade de Comodoro Rivadavia.

O Ara San Juan desapareceu em 15 de novembro de 2017, com 44 pessoas a bordo, e sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma á…

Preparativos para o ataque à Síria foram rastreados por OSINT

Na noite entre 13 e 14 de abril, aviões dos EUA, Reino Unido e França lançaram uma primeira onda de ataques aéreos contra alvos terrestres na Síria.


Por David Cenciotti | The Aviationist | Poder Aéreo

O que se segue é uma recapitulação baseada em OSINT (Open Sources Intelligence), já que a maioria das aeronaves envolvidas nos ataques pode ser rastreada on-line através de informações de domínio público.


RQ-4 Global Hawk

A ação “limitada” foi precedida pela atividade de coleta de informações realizada por muitos dos ativos que sobrevoaram o leste do Mar Mediterrâneo recentemente.

O primeiro sinal de que algo estava prestes a acontecer era a presença incomum de um drone RQ-4 Global Hawk que rastreava o Líbano e a Síria poucas horas antes de as primeiras armas chegarem às instalações químicas/infraestrutura do regime sírio.

O RQ-4, indicativo “Forte 10” voou por várias horas a oeste do Líbano, provavelmente apontando seus sensores IMINT e SIGINT/ELINT para as baterias da Defesa Aérea Síria que estava em status de prontidão. O drone então se moveu para sudoeste, ao norte do Egito, onde foi acompanhado por um RC-135V indicativo Fixx74. Era cerca de 23h20 GMT e parecia que as duas plataformas ISR, depois de coletar informações de uma posição próxima, estavam abrindo espaço para os bombardeiros que chegavam.

Boeing RC-135V

Entre as aeronaves que chegavam para conduzir seu bombardeio do Mediterrâneo, estavam os jatos Dassault Rafale da Força Aérea Francesa de Saint Dizier AB, na França, apoiados por aviões-tanque C-135FR e Tornados GR4 da RAF com seus mísseis Storm Shadow, lançados da base RAF Akrotiri no Chipre. Enquanto o transponder estava desligado, a presença dos bombardeiros e de seus aviões-tanque foi vazada por suas comunicações via rádio com agências civis da ATC, como a Athinai ACC, que ocorreu em freqüências não-criptografadas de VHF transmitidas pela Internet no LiveATC.net.

Curiosamente, pelo menos dois pacotes de 5 caças (cada um supostamente incluiu 4 x F-16Cs da 31FW e 4 x F-15Cs da 48FW carregados com mísseis ar-ar – na verdade, o segundo incluiu apenas 3 Vipers ao invés de 4) apoiados por aviões-tanque KC-135, desde cobertura DCA (Defensive Counter Air) para os bombardeiros e para os navios de guerra que lançaram TLAMs.

Após as primeiras ondas de ataques, que também envolveram os B-1s da Força Aérea dos EUA de Al Udeid, outro drone Global Hawk foi lançado de Sigonella para realizar o BDA (Battle Damage Assessment).

Os ataques aéreos exigiram um enorme apoio de aviões-tanque. Havia 7 aviões-tanque KC-135 e KC-10 no ar no sul da Europa em direção ao Mar Mediterrâneo, algo incomum para uma noite de sexta-feira. No momento desta escrita, havia 13 (!) aviões-tanque no ar: alguns estão arrastando o segundo pacote dos F-15 e F-16s dos EUA de volta para Aviano na Itália, enquanto outros estão reposicionando para RAF Mildenhall ou Souda Bay após uma noite de operações.

Outro avião interessante rastreado on-line após o ataque, é um Bombardier E-11A 11-9358 do 430th EECS (Expeditionary Electronic Combat Squadron), localizado em Kandahar no Afeganistão. A aeronave é um recurso BACN (comunicações aerotransportadas no campo de batalha): BACN é um sistema tecnológico de “gateway” que permite que aeronaves com sistemas de rádio e datalinks incompatíveis troquem informações táticas e se comuniquem.

Bombardier E-11A 11-9358

Ao orbitar em grandes altitudes, os recursos aéreos equipados com BACN fornecem um elo de comunicação entre os aliados, independentemente do tipo de aeronave de suporte e em um ambiente sem linha de visada (LOS). O sistema BACN também é instalado a bordo dos UAVs Global Hawk EQ-4B. Embora não possamos ter certeza, é bastante provável que a aeronave também esteja envolvida nos ataques aéreos, fornecendo uma ponte de dados entre as partes envolvidas.

No final, graças ao ADS-B, Mode-S e MLAT, tivemos uma boa ideia do que aconteceu durante a primeira onda de ataques aéreos na Síria. Obviamente não está completo, ainda é bem interessante.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas