Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

Putin adverte Macron contra qualquer 'ato irrefletido e perigoso'

Moscovo e Paris acordaram coordenar iniciativas para evitar uma escalada militar na Síria


Diário de Notícias

O presidente russo, Vladimir Putin, advertiu hoje o homólogo francês, Emmanuel Macron, contra qualquer "ato irrefletido e perigoso", depois das ameaças de uma retaliação militar ocidental ao alegado ataque químico na Síria.

Resultado de imagem para macron putin
Emmanuel Macron e Vladimir Putin | Reprodução


"É essencial evitar qualquer ação irrefletida e perigosa que seria uma violação flagrante da Carta das Nações Unidas e teria consequências imprevisíveis", lê-se num comunicado da presidência russa, divulgado após uma conversa telefónica entre os dois presidentes.

O texto diz que Moscovo e Paris acordaram coordenar iniciativas para evitar uma escalada militar na Síria.

Putin repetiu a exigência de uma "investigação exaustiva e objetiva" ao alegado ataque químico e manifestou, como Macron, satisfação pelo envio para o terreno de uma equipa de peritos da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ).

Até que uma tal investigação seja concluída, lê-se no texto, "é prudente abster-se de qualquer acusação seja contra quem for".

Macron disse na quinta-feira, numa entrevista à televisão nacional francesa, ter provas de que o regime sírio usou armas químicas no ataque de 07 de abril à cidade rebelde de Douma, considerando que tal constitui uma violação de uma "linha vermelha" que pode levar a ataques ocidentais.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas