Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Putin adverte Macron contra qualquer 'ato irrefletido e perigoso'

Moscovo e Paris acordaram coordenar iniciativas para evitar uma escalada militar na Síria


Diário de Notícias

O presidente russo, Vladimir Putin, advertiu hoje o homólogo francês, Emmanuel Macron, contra qualquer "ato irrefletido e perigoso", depois das ameaças de uma retaliação militar ocidental ao alegado ataque químico na Síria.

Resultado de imagem para macron putin
Emmanuel Macron e Vladimir Putin | Reprodução


"É essencial evitar qualquer ação irrefletida e perigosa que seria uma violação flagrante da Carta das Nações Unidas e teria consequências imprevisíveis", lê-se num comunicado da presidência russa, divulgado após uma conversa telefónica entre os dois presidentes.

O texto diz que Moscovo e Paris acordaram coordenar iniciativas para evitar uma escalada militar na Síria.

Putin repetiu a exigência de uma "investigação exaustiva e objetiva" ao alegado ataque químico e manifestou, como Macron, satisfação pelo envio para o terreno de uma equipa de peritos da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ).

Até que uma tal investigação seja concluída, lê-se no texto, "é prudente abster-se de qualquer acusação seja contra quem for".

Macron disse na quinta-feira, numa entrevista à televisão nacional francesa, ter provas de que o regime sírio usou armas químicas no ataque de 07 de abril à cidade rebelde de Douma, considerando que tal constitui uma violação de uma "linha vermelha" que pode levar a ataques ocidentais.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas