Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump reconhece soberania de Israel sobre Colinas de Golã

Ao lado de Netanyahu, presidente dos EUA contradiz décadas de política externa e reconhece a soberania de Israel sobre o território, ocupado em 1967 e anexado em 1981. Síria vê ataque a sua integridade territorial.
Deutsch Welle

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu formalmente nesta segunda-feira (25/03) a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã, um território disputado com a Síria e que Israel anexou em 1981.

O governo do presidente sírio, Basahr al-Assad, respondeu de imediato e afirmou que a decisão é um ataque à soberania e à integridade territorial da Síria.

O decreto de reconhecimento foi assinado no início de um encontro com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em Washington. Trump justificou a medida com as "ações agressivas" do Irã e de grupos "terroristas" contra Israel.

Netanyahu disse que se trata de um dia histórico e que Trump é o melhor amigo que Israel já teve.

Em Israel, o reconhecimento pode significar um forte i…

Questão de reputação: o que esconde Londres sobre fracasso de seus submarinos?

O relato do jornal britânico The Times sobre o duelo subaquático entre um submarino britânico da classe Astute e dois submarinos russos na véspera do ataque ocidental à Síria talvez busque esconder alguma falha da moderna embarcação britânica recorrendo à sempre conveniente "mão do Kremlin", opina um artigo do jornal russo Vzglyad.


Sputnik

A versão do The Times é perfeitamente credível, confirmaram ao Vzglyad militares russos, já que os submarinos diesel-elétricos russos foram desenhados para perseguir e afundar submarinos nucleares inimigos.

HMS Astute, primeiro submarino nuclear da classe Astute
Submarino nuclear inglês Classe Astute © AP Photo / BAe Systems, ho

Além disso, os submarinos do projeto 636 Varshavyanka são silenciosos o suficiente para se aproximarem furtivamente de seus adversários. Por outro lado, a explicação divulgada pela mídia britânica suscita também algumas dúvidas.

"Não há nada de especial, nossos submarinos também são perseguidos. Mas esta história provoca dúvidas. Do nosso lado estavam submarinos a diesel, do lado britânico — um submarino nuclear, que tem uma velocidade maior […] e um submarino a diesel não pode segui-lo por muito tempo", afirmou o capitão submarinista aposentado Vladimir Mamaikin.

Assim, se realmente quisesse, o Astute tinha a capacidade técnica de acelerar ao máximo e se livrar de seus "caçadores", assumindo logo a posição de ataque, lançar mísseis e submergir de novo.

Para os marinheiros russos, a história revelada pelas "fontes militares" do The Times pode ser falsa e visar esconder uma falha relacionada com o lançamento e assim salvar a reputação da Marinha britânica após as fortes declarações de Theresa May sobre o envio de submarinos poderosos à costa síria.

"Os britânicos, que não conseguiram participar a tempo nos golpes [contra a Síria] tiveram que justificá-lo", acredita Mamaikin sem excluir que os submarinos russos estivessem presentes nas águas do Mediterrâneo naquele momento.

Seu colega, o capitão Mikhail Nenashev, por sua parte, sugere que o fracasso pode ter sido provocado por uma falha técnica.

"O possível uso de mísseis de cruzeiro pode ter causado um acidente dentro do próprio submarino", disse Nenashev, detalhando que o lançamento subaquático de um míssil de cruzeiro é um processo complexo. "Não se pode excluir que, naquele momento, os britânicos enfrentaram problemas e, para manter a reputação, podem ter vazado informação falsa."

A imprensa britânica já criticou a Marinha Real por ter perdido suas capacidades de combate e também pela falta de recursos, devido à qual os navios não podem sair ao mar. Em particular, a crítica pode ser explicada pelo desejo de aumentar o financiamento do setor naval, mas é igualmente possível que a lendária frota britânica já não seja como antes.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas