Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares revelam como suas vidas foram destruídas pelo Exército dos EUA

O Twitter oficial do Exército dos EUA realizou uma pesquisa para averiguar como o serviço impactou a vida de seus militares.
Sputnik

Atualmente, mais de 9.000 pessoas já compartilharam suas opiniões. Apesar de constatarem que o serviço no Exército fortalece fisicamente e emocionalmente as pessoas, dando algum sentido às suas vidas e abrindo perspectivas profissionais, há muitos outros comentários com declarações céticas e críticas sobre a influência do Exército dos EUA no mundo, no país e na sua vida pessoal.

Várias pessoas compartilharam histórias de seus familiares que cometeram suicídio, sofreram de transtorno por estresse pós-traumático, passaram por mudanças radicais de caráter e comportamento ou deixaram de ser saudáveis depois de participarem em ações militares dos EUA.

Além disso, há aqueles cujos familiares ou eles próprios foram abusados durante o serviço.

Outros usuários recordaram que os horrores da guerra deixam cicatrizes na mente.

Diversos outros usuários da rede social compa…

Reino Unido acusa Rússia de barrar investigações sobre armas químicas na Síria

O veto da Rússia ao Conselho de Segurança da ONU em uma resolução sobre mecanismos para investigar ataques químicos na Síria foi uma tentativa de bloquear as investigações, disse a primeiao-ministra do Reino Unido em discurso, que será dirigido ao Parlamento nesta segunda-feira (16).


Sputnik

Em 10 de abril, o Conselho de Segurança da ONU (UNSC, na sigla em inglês) não adotou nenhuma das duas resoluções esboçadas pelos russos, e pediu uma investigação sobre o recente ataque químico na cidade síria de Douma, porque os diplomatas da Rússia e dos Estados Unidos usaram o poder de veto de seus países para bloquear os projetos um do outro.


Russian President Vladimir Putin, right, listens to British Prime Minister Theresa May during a bilateral meeting in Hangzhou, China, Sunday, Sept. 4, 2016, ahead of the G20 Leaders Summit.
Thereza May e Vladimir Putin © AP Photo / Alexei Druzhinin

"Houve claramente tentativas de bloquear qualquer investigação adequada, como vimos com o veto russo na ONU no início da semana. E não podemos esperar ainda para aliviar o sofrimento humanitário causado por ataques com armas químicas", disse May.

O primeira-ministra também reiterou a posição de Londres de que o governo sírio era responsável pelo suposto ataque químico na Duma.

"Inspetores da UNSC investigaram ataques anteriores e em quatro ocasiões decidiram que o regime era de fato responsável. Estamos confiantes em nossa própria avaliação de que o regime sírio era altamente responsável por esse ataque e que seu padrão persistente de comportamento significava que ele era É altamente provável que continuem usando armas químicas", disse May.

Na noite da sexta-feira (13), os Estados Unidos, a França e o Reino Unido lançaram ataques a vários alvos na Síria em resposta ao suposto uso de armas químicas em Douma. Os estados ocidentais acusaram as forças do presidente sírio Bashar Assad pelo suposto ataque. O líder sírio negou qualquer envolvimento no ataque e convidou os especialistas da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) para investigar a situação.

De acordo com o Ministério da Defesa da Rússia, os três países dispararam mais de 100 mísseis de cruzeiro e ar-terra, a maioria dos quais foi abatida pela defesa aérea síria. De acordo com Damasco, que alega ter eliminado seus estoques de armas químicas, o ataque danificou a infraestrutura síria e deixou três civis feridos.

O presidente russo, Vladimir Putin, afirmou no sábado (que as greves foram realizadas em violação das normas e princípios do direito internacional.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas