Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Reino Unido acusa Rússia de barrar investigações sobre armas químicas na Síria

O veto da Rússia ao Conselho de Segurança da ONU em uma resolução sobre mecanismos para investigar ataques químicos na Síria foi uma tentativa de bloquear as investigações, disse a primeiao-ministra do Reino Unido em discurso, que será dirigido ao Parlamento nesta segunda-feira (16).


Sputnik

Em 10 de abril, o Conselho de Segurança da ONU (UNSC, na sigla em inglês) não adotou nenhuma das duas resoluções esboçadas pelos russos, e pediu uma investigação sobre o recente ataque químico na cidade síria de Douma, porque os diplomatas da Rússia e dos Estados Unidos usaram o poder de veto de seus países para bloquear os projetos um do outro.


Russian President Vladimir Putin, right, listens to British Prime Minister Theresa May during a bilateral meeting in Hangzhou, China, Sunday, Sept. 4, 2016, ahead of the G20 Leaders Summit.
Thereza May e Vladimir Putin © AP Photo / Alexei Druzhinin

"Houve claramente tentativas de bloquear qualquer investigação adequada, como vimos com o veto russo na ONU no início da semana. E não podemos esperar ainda para aliviar o sofrimento humanitário causado por ataques com armas químicas", disse May.

O primeira-ministra também reiterou a posição de Londres de que o governo sírio era responsável pelo suposto ataque químico na Duma.

"Inspetores da UNSC investigaram ataques anteriores e em quatro ocasiões decidiram que o regime era de fato responsável. Estamos confiantes em nossa própria avaliação de que o regime sírio era altamente responsável por esse ataque e que seu padrão persistente de comportamento significava que ele era É altamente provável que continuem usando armas químicas", disse May.

Na noite da sexta-feira (13), os Estados Unidos, a França e o Reino Unido lançaram ataques a vários alvos na Síria em resposta ao suposto uso de armas químicas em Douma. Os estados ocidentais acusaram as forças do presidente sírio Bashar Assad pelo suposto ataque. O líder sírio negou qualquer envolvimento no ataque e convidou os especialistas da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) para investigar a situação.

De acordo com o Ministério da Defesa da Rússia, os três países dispararam mais de 100 mísseis de cruzeiro e ar-terra, a maioria dos quais foi abatida pela defesa aérea síria. De acordo com Damasco, que alega ter eliminado seus estoques de armas químicas, o ataque danificou a infraestrutura síria e deixou três civis feridos.

O presidente russo, Vladimir Putin, afirmou no sábado (que as greves foram realizadas em violação das normas e princípios do direito internacional.

Comentários

Postagens mais visitadas