Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Argentina concorda em construir bases norte-americanas em seu território

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, aprovou a construção no país de várias bases militares dos EUA, informou no sábado (21) o portal mexicano Aristegui Noticias com referência a fontes informadas.
Sputnik

De acordo com o portal, trata-se de ao mínimo três bases militares a serem construídas nas províncias de Neuquén (onde fica a jazida de gás de xisto Vaca Muerta), Misiones e Tierra del Fuego, de onde se pode controlar a Antártida.

A sua criação deve ser financiada pelo Comando Sul dos EUA. Um dos principais adeptos da criação de bases seria a ministra da Segurança da Argentina, Patricia Bullrich.

Além disso, nota o portal mexicano, a ministra elogiou a chegada ao país de instrutores americanos que efetuam a preparação dos policiais argentinos antes da cúpula do G20 em novembro. Isso viola as atuais leis argentinas, porque é necessário obter a autorização do Congresso para tais ações, algo que não foi feito.

Reino Unido e EUA dizem que uso de armas químicas não pode ficar sem resposta

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, concordaram que o uso de armas químicas não pode ficar "sem resposta" e ressaltaram a importância de impedir que o regime sírio volte a utilizá-las.


EFE

Londres - Os dois líderes políticos conversaram na noite de quinta-feira por telefone para abordar a última crise na Síria, surgida pelo ataque químico do último sábado, na cidade de Duma, atribuído ao regime de Bashar al-Assad, informou hoje um porta-voz de Downing Street, residência oficial da primeira-ministra britânica.


Donald Trump e Theresa May em foto de 2017. EFE/Shawn Thew
Donald Trump e Theresa May em foto de 2017. EFE/Shawn Thew

"Eles concordaram que regime de Bashar al-Assad estabeleceu um modelo de comportamento perigoso em relação com o uso de armas químicas. Eles acreditam que ser vital que o uso de armas químicas não fique sem resposta e na necessidade de impedir um novo uso de armas químicas por parte do regime sírio", disse a fonte.

"Então eles seguirão trabalhando estreitamente para uma resposta internacional", completou o porta-voz oficial.

Theresa May convocou ontem uma reunião de emergência do governo para avaliar a crise e considerar as opções sobre o possível apoio do Reino Unido a uma eventual operação militar dos EUA contra a Síria.

No final da reunião, o governo acordou em seguir trabalhando com os EUA e França para buscar uma "resposta internacional coordenada" ao suposto ataque químico, segundo fontes oficiais.

A primeira-ministra considera que é altamente provável que o regime sírio seja responsável pelo ataque.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas