Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Seul celebra decisão de Pyongyang em suspender testes nucleares e de mísseis

Presidente sul-coreano Moon Jae-in e o líder norte-coreano Kim Jong-un irão se encontrar na próxima sexta-feira (27).
EFE

O governo da Coreia do Sul qualificou neste sábado (21) como um "progresso significativo" para a desnuclearização da Coreia do Norte a decisão do regime de Pyongyang de suspender os seus testes atômicos e de mísseis, assim como o fechamento de seu centro de testes nucleares.

Em um comunicado enviado pelo gabinete presidencial sul-coreano, Seul considerou que "a decisão da Coreia do Norte é significativa para a desnuclearização da península coreana" e disse, além disso, que "ajudará a criar um ambiente muito positivo para o sucesso das próximas cúpula intercoreana e entre o Norte e Estados Unidos".

O governo sul-coreano se comprometeu em preparar o iminente encontro entre seu presidente, Moon Jae-in, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, previsto para o próximo dia 27, de modo a "liderar o caminho para a desnuclearização e paz duradour…

Reino Unido e EUA dizem que uso de armas químicas não pode ficar sem resposta

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, concordaram que o uso de armas químicas não pode ficar "sem resposta" e ressaltaram a importância de impedir que o regime sírio volte a utilizá-las.


EFE

Londres - Os dois líderes políticos conversaram na noite de quinta-feira por telefone para abordar a última crise na Síria, surgida pelo ataque químico do último sábado, na cidade de Duma, atribuído ao regime de Bashar al-Assad, informou hoje um porta-voz de Downing Street, residência oficial da primeira-ministra britânica.


Donald Trump e Theresa May em foto de 2017. EFE/Shawn Thew
Donald Trump e Theresa May em foto de 2017. EFE/Shawn Thew

"Eles concordaram que regime de Bashar al-Assad estabeleceu um modelo de comportamento perigoso em relação com o uso de armas químicas. Eles acreditam que ser vital que o uso de armas químicas não fique sem resposta e na necessidade de impedir um novo uso de armas químicas por parte do regime sírio", disse a fonte.

"Então eles seguirão trabalhando estreitamente para uma resposta internacional", completou o porta-voz oficial.

Theresa May convocou ontem uma reunião de emergência do governo para avaliar a crise e considerar as opções sobre o possível apoio do Reino Unido a uma eventual operação militar dos EUA contra a Síria.

No final da reunião, o governo acordou em seguir trabalhando com os EUA e França para buscar uma "resposta internacional coordenada" ao suposto ataque químico, segundo fontes oficiais.

A primeira-ministra considera que é altamente provável que o regime sírio seja responsável pelo ataque.

Postar um comentário