Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha da Argentina fala sobre localização do submarino ARA San Juan

Embarcação desaparecida há 1 ano foi localizada neste sábado a 907 metros de profundidade. Ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate. 'Não temos meios para resgatar o submarino', diz ministro.
Por G1

A Marinha da Argentina informou neste sábado (17) que o submarino ARA San Juan, que sumiu há 1 ano com 44 tripulantes, foi encontrado a 907 metros de profundidade em uma área de "visibilidade bastante reduzida", e que a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma área de 80 a 100 metros. “Isso sugere que a implosão tenha ocorrido muito perto do fundo”, disse.

Segundo a Marinha, as imagens mostram que o casco do submarino permaneceu bastante intacto, apenas com algumas deformações, e que todas as outras partes se desprenderam. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado …

Transnístria não permitirá retirada ou substituição da missão de paz russa

Tiraspol não permitirá a retirada dos militares russos ou a mudança do formato da missão de paz russa, declarou Vadim Krasnoselsky, líder da República Moldava da Transnístria.


Sputnik

"Apoiamos a posição de que não é oportuno falar sobre a retirada da missão pacificadora e a mudança do formato, que demonstrou a sua eficácia; além disso, nós mesmos não permitiremos que criem obstáculos aos soldados russos no território de Transnístria", declarou durante uma reunião no Conselho da Federação (câmara alta do parlamento russo).


Pacificadores russos na Transnístria
Tropa de paz russa na Transnístria © Sputnik/ Sergei Kuznetsov

Nos finais do ano passado, na Transnístria foram coletadas 85.282 assinaturas a favor da presença das forças de paz russas, depois de a Moldávia ter declarado ilegal a presença dos militares russos na região rebelde.

As autoridades moldavas insistem na retirada do contingente de paz russo, que permanece na região há quase 25 anos e é sucessor do 14º Exército, que ficou sob jurisdição da Rússia depois do colapso da União Soviética.

As tarefas principais dos militares russos incluem a manutenção da paz e a vigilância dos depósitos de munições.

A desintegração da União Soviética e o medo de uma fusão da Moldávia com a Romênia, incentivaram vários distritos a proclamar a criação da chamada República Moldava da Transnístria no princípio dos anos 90.

60% da população da região, com cerca de 475.000 habitantes, são de origem russa e ucraniana.

Atualmente, a Transnístria representa um território fora do controle de Chisinau, com todos os atributos de Estado, incluindo uma moeda própria.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas