Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Coreia do Sul e EUA retomarão busca de militares desaparecidos

Comandos militares da República Popular Democrática da Coreia (RPDC) e dos EUA acordaram hoje a retomada da busca dos soldados considerados desaparecidos nesta região durante o período de guerra 1950-1953.
Por Benito Joaquín | Prensa Latina
Panmunjom, RPDC - O ato ficou pactuado durante os diálogos com os quais se retomaram os encontros de alto nível entre chefes militares de Pyongyang e Washington, suspensos há anos, soube a Prensa Latina.
Durante o primeiro triênio da segunda metade do século passado morreram mais de 33 mil soldados e oficiais estadunidenses, segundo cifras oficiais.

Os restos mortais de cerca de 16 por cento desse total de militares mortos não foram encontrados nas buscas realizadas na RPDC entre 1996 e 2005 ou anteriormente.

Os especialistas forenses só detectaram nos antigos palcos de guerra ao norte daqui, os restos de aproximadamente 220 militares norte-americanos.

Em Washington, o secretário de Estado, Mike Pompeo, assegurou que 16 por cento dos corpos dos que morre…

Trump ameaça lançar mísseis na Síria

Com indícios de que houve de fato um ataque químico contra civis, EUA caminham para ofensiva aérea contra o regime de Assad. "Prepara-se, os mísseis vão chegar", diz presidente americano à Rússia.


Deutsch Welle

Apesar dos insistentes alertas enviados pela Rússia, os Estados Unidos avaliam a possibilidade de uma ofensiva com mísseis em resposta ao suposto ataque com armas químicas em Duma, cidade nas proximidades da capital da Síria, Damasco.


default
Trump ao lado de conselheiros para debater uma resposta americana na Síria

Segundo relatório desta quarta-feira (11/04) da Organização Mundial da Saúde (OMS), os sintomas de 500 pacientes tratados após o ataque de sábado em Duma apontam que houve, de fato, o uso de armas químicas no ataque.

O governo do presidente Donald Trump manteve ao longo das últimas horas amplos contatos com os governos da França e do Reino Unido para avaliar a possibilidade de uma ação conjunta.

Nesta terça-feira, tanto o governo francês como o britânico afirmaram que, se houve mesmo um ataque químico contra civis em Duma, ele não deve ficar sem resposta. Porém, uma decisão final ainda não foi tomada, afirmaram, sob anonimato, funcionários do governo americano à agência de notícias AP.

Trump já deixou claro que pretende fazer com que o regime do presidente Bashar al-Assad e também seus principais apoiadores, a Rússia e o Irã, paguem caro pelo suposto ataque químico, que é atribuído às forças leais a Assad. Ao mesmo tempo, o presidente se mostra relutante em tomar uma decisão, pois é claramente contrário a um envolvimento ainda maior dos Estados Unidos na guerra civil da Síria.

Nesta quarta-feira, o embaixador da Rússia no Líbano, Alexander Zasypkin, disse que as forças russas vão derrubar qualquer míssil americano que cruzar território sírio.

"Se houver um ataque americano, nós vamos derrubar os mísseis e atacar as posições de onde eles foram lançados", disse, em entrevista a um canal de TV ligado ao Hisbolá. "Nos últimos dias, nós vimos uma escalada em direção a uma crise significativa."

No Twitter, Trump respondeu: "A Rússia ameaçou derrubar todos os mísseis disparados na Síria. Prepare-se, Rússia, porque eles vão chegar, bonitos, novos e 'smart'. Vocês não deveriam ser parceiros desse animal que mata com gás seu próprio povo e tem prazer nisso", escreveu o presidente americano.

Resposta mais robusta

Em 2017, Trump lançou um ataque de míssil de cruzeiro contra uma base aérea na Síria, em retaliação a um ataque com gás sarin que as Nações Unidas, mas tarde, atribuíram ao regime de Assad.

Segundo o jornal The New York Times, a Casa Branca e conselheiros de segurança avaliam que, desta vez, a resposta deveria ser mais "robusta" para intimidar o regime sírio e assim impedir novos usos de armas químicas. Entre as opções consideradas estariam atacar mais de um alvo ou atacar por mais de um dia.

O presidente americano cancelou sua participação na Cúpula das Américas para, segundo a Casa Branca, coordenar a resposta à Síria. O secretário de Defesa, Jim Mattis, também cancelou planos de viagem, e o destroier USS Donald Cook foi deslocado para uma região de onde pode atacar a Síria. Nos próximos dias será a vez do porta-aviões USS Harry Truman.

Uma ação militar conjunta, possivelmente liderada pela França, enviaria um sinal de unidade internacional sobre a proibição do uso de armas químicas. O presidente francês, Emmanuel Macron, defendeu uma resposta "forte e conjunta" e disse que uma decisão será tomada nos próximos dias.

"Nossa decisão não vai mirar aliados do regime nem atacar alguém, mas atacar as instalações químicas do regime", afirmou Macron, acrescentando que não pretende acirrar ainda mais o conflito na Síria.

O presidente francês não necessita de aprovação parlamentar para iniciar uma operação militar. A França já participa da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos e criada em 2014 para combater o grupo terrorista "Estado Islâmico" na Síria e no Iraque.

Diante da possibilidade de "ataques aéreos na Síria com mísseis ar-terra e/ou de cruzeiro, nas próximas 72 horas", a Eurocontrol, organização europeia de segurança na navegação aérea, divulgou uma advertência às companhias aéreas sobre os riscos de sobrevoar a área do Mediterrâneo Oriental-Nicósia.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas