Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Turquia acusa Assad de usar armas químicas e exige que deixe o poder

O ministro de Relações Exteriores da Turquia, Mevlüt Çavusoglu, acusou nesta quarta-feira o regime sírio de usar armas químicas e exigiu que seu líder, Bashar Al-Assad, que deixe o poder para iniciar um processo político no país árabe.


EFE

"O regime de Assad deve deixar o governo da Síria. Não é a primeira vez que usa armas químicas. Matou cerca de um milhão de pessoas com seus bombardeios. É necessário passar para um processo político", disse Çavusoglu durante um discurso em Ancara.


Resultado de imagem para Mevlüt Çavusoglu
Ministro de Relações Exteriores da Turquia, Mevlüt Çavusoglu | Reprodução

O chefe da diplomacia turca fez assim referência ao suposto ataque com armas químicas contra a população da localidade de Duma em Ghouta Oriental, perto de Damasco, no sábado.

O Ministério de Relações Exteriores turco já condenou o ataque "taxativamente" no domingo, apontando que havia "fortes suspeitas" de que tivesse sido perpetrado pelo regime de Assad.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, no entanto, foi mais cauteloso ontem ao condenar o massacre e dizer que seus responsáveis "pagarão um alto preço, seja quem forem", sem atribui-la a nenhum esquadrão.

Após a reunião trilateral, realizada no começo do mês em Ancara com os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e do Irã, Hassan Rohani, ambos apoiadores do regime sírio, Erdogan tinha feito referência ao papel de Assad em um futuro processo de paz.

Çavusoglu tirou hoje ferro às exortações de Moscou que Ancara entregasse ao regime sírio o cantão de Afrín que, no noroeste da Síria e povoado majoritariamente por curdos, foi conquistado pelo Exército turco em uma ofensiva desdobrada entre janeiro e março passados.

"A operação em Afrin está sendo feita em cooperação com a Rússia. Não estamos pechinchando nada. Havia observadores russos ali; pedimos que fossem para que não ocorresse nenhum acidente, e foram. Usamos o espaço aéreo (da Síria, sob controle russo)", lembrou o ministro.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas