Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Seul celebra decisão de Pyongyang em suspender testes nucleares e de mísseis

Presidente sul-coreano Moon Jae-in e o líder norte-coreano Kim Jong-un irão se encontrar na próxima sexta-feira (27).
EFE

O governo da Coreia do Sul qualificou neste sábado (21) como um "progresso significativo" para a desnuclearização da Coreia do Norte a decisão do regime de Pyongyang de suspender os seus testes atômicos e de mísseis, assim como o fechamento de seu centro de testes nucleares.

Em um comunicado enviado pelo gabinete presidencial sul-coreano, Seul considerou que "a decisão da Coreia do Norte é significativa para a desnuclearização da península coreana" e disse, além disso, que "ajudará a criar um ambiente muito positivo para o sucesso das próximas cúpula intercoreana e entre o Norte e Estados Unidos".

O governo sul-coreano se comprometeu em preparar o iminente encontro entre seu presidente, Moon Jae-in, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, previsto para o próximo dia 27, de modo a "liderar o caminho para a desnuclearização e paz duradour…

Turquia acusa Assad de usar armas químicas e exige que deixe o poder

O ministro de Relações Exteriores da Turquia, Mevlüt Çavusoglu, acusou nesta quarta-feira o regime sírio de usar armas químicas e exigiu que seu líder, Bashar Al-Assad, que deixe o poder para iniciar um processo político no país árabe.


EFE

"O regime de Assad deve deixar o governo da Síria. Não é a primeira vez que usa armas químicas. Matou cerca de um milhão de pessoas com seus bombardeios. É necessário passar para um processo político", disse Çavusoglu durante um discurso em Ancara.


Resultado de imagem para Mevlüt Çavusoglu
Ministro de Relações Exteriores da Turquia, Mevlüt Çavusoglu | Reprodução

O chefe da diplomacia turca fez assim referência ao suposto ataque com armas químicas contra a população da localidade de Duma em Ghouta Oriental, perto de Damasco, no sábado.

O Ministério de Relações Exteriores turco já condenou o ataque "taxativamente" no domingo, apontando que havia "fortes suspeitas" de que tivesse sido perpetrado pelo regime de Assad.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, no entanto, foi mais cauteloso ontem ao condenar o massacre e dizer que seus responsáveis "pagarão um alto preço, seja quem forem", sem atribui-la a nenhum esquadrão.

Após a reunião trilateral, realizada no começo do mês em Ancara com os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e do Irã, Hassan Rohani, ambos apoiadores do regime sírio, Erdogan tinha feito referência ao papel de Assad em um futuro processo de paz.

Çavusoglu tirou hoje ferro às exortações de Moscou que Ancara entregasse ao regime sírio o cantão de Afrín que, no noroeste da Síria e povoado majoritariamente por curdos, foi conquistado pelo Exército turco em uma ofensiva desdobrada entre janeiro e março passados.

"A operação em Afrin está sendo feita em cooperação com a Rússia. Não estamos pechinchando nada. Havia observadores russos ali; pedimos que fossem para que não ocorresse nenhum acidente, e foram. Usamos o espaço aéreo (da Síria, sob controle russo)", lembrou o ministro.

Postar um comentário