Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Turquia acusa Assad de usar armas químicas e exige que deixe o poder

O ministro de Relações Exteriores da Turquia, Mevlüt Çavusoglu, acusou nesta quarta-feira o regime sírio de usar armas químicas e exigiu que seu líder, Bashar Al-Assad, que deixe o poder para iniciar um processo político no país árabe.


EFE

"O regime de Assad deve deixar o governo da Síria. Não é a primeira vez que usa armas químicas. Matou cerca de um milhão de pessoas com seus bombardeios. É necessário passar para um processo político", disse Çavusoglu durante um discurso em Ancara.


Resultado de imagem para Mevlüt Çavusoglu
Ministro de Relações Exteriores da Turquia, Mevlüt Çavusoglu | Reprodução

O chefe da diplomacia turca fez assim referência ao suposto ataque com armas químicas contra a população da localidade de Duma em Ghouta Oriental, perto de Damasco, no sábado.

O Ministério de Relações Exteriores turco já condenou o ataque "taxativamente" no domingo, apontando que havia "fortes suspeitas" de que tivesse sido perpetrado pelo regime de Assad.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, no entanto, foi mais cauteloso ontem ao condenar o massacre e dizer que seus responsáveis "pagarão um alto preço, seja quem forem", sem atribui-la a nenhum esquadrão.

Após a reunião trilateral, realizada no começo do mês em Ancara com os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e do Irã, Hassan Rohani, ambos apoiadores do regime sírio, Erdogan tinha feito referência ao papel de Assad em um futuro processo de paz.

Çavusoglu tirou hoje ferro às exortações de Moscou que Ancara entregasse ao regime sírio o cantão de Afrín que, no noroeste da Síria e povoado majoritariamente por curdos, foi conquistado pelo Exército turco em uma ofensiva desdobrada entre janeiro e março passados.

"A operação em Afrin está sendo feita em cooperação com a Rússia. Não estamos pechinchando nada. Havia observadores russos ali; pedimos que fossem para que não ocorresse nenhum acidente, e foram. Usamos o espaço aéreo (da Síria, sob controle russo)", lembrou o ministro.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas