Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

Vladimir Putin e Emmanuel Macron defendem manutenção de acordo nuclear iraniano

Comunicado foi divulgado após Macron telefonar para Putin e informá-lo sobre encontro com o presidente americano Donald Trump na última semana.


France Presse


Vladimir Putin e Emmanuel Macron defenderam nesta segunda-feira (30) a manutenção e "estrita aplicação" do acordo nuclear iraniano, segundo o Kremlin.

Emmanuel Macron e Vladimir Putin durante encontro no Castelo de Versailles, em 2016 (Foto: REUTERS/Alexander Zemlianichenko/Pool)
Emmanuel Macron e Vladimir Putin durante encontro no Castelo de Versailles, em 2016 (Foto: REUTERS/Alexander Zemlianichenko/Pool)

"Os presidentes da Rússia e da França se pronunciaram a favor de manter e aplicar estritamente" o acordo de 2015, anunciou o Kremlin em um comunicado, divulgado depois que Emmanuel Macron telefonou a Vladimir Putin para informá-lo de seu encontro na semana passada nos Estados Unidos com o presidente americano Donald Trump.

O presidente americano deve anunciar até 12 de maio se, como prometeu, "rasgará" este texto assinado em julho de 2015 pelo Irã e seis grandes potências após duras negociações.

Seu conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, afirmou no domingo que Trump ainda não havia tomado uma decisão.

Ele acrescentou que o presidente estava considerando a proposta de seu colega francês de abrir negociações para um novo acordo ampliado.

Macron propôs a Trump preservar o acordo original que se tornaria o primeiro dos "quatro pilares" de um texto futuro.

Os outros "pilares" dizem respeito ao período pós-2025, quando certas cláusulas relativas às atividades nucleares vão expirar, mas também aos mísseis balísticos de Teerã e ao seu papel considerado "desestabilizador" na região. A Rússia declarou que não via "alternativa" ao acordo.

O presidente iraniano, Hassan Rohani, ressaltou no domingo que seu país não aceitaria "qualquer restrição além de seus compromissos atuais".

Postar um comentário