Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China: 'Relatório do Pentágono distorce nossas intenções estratégicas'

A China rejeita firmemente as conclusões do relatório do Departamento de Defesa dos EUA sobre a situação militar e de segurança no país asiático, disse em comunicado o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Lu Kang.
Sputnik

"Em 17 de agosto, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos divulgou o relatório sobre a situação militar e de segurança na China, interpretando mal as intenções estratégicas da China e apresentando a chamada ‘ameaça militar chinesa' […] Os militares chineses expressam sua firme oposição a esse respeito", diz a declaração.

"As alegações do relatório dos EUA são pura especulação", disse Kang, explicando que o programa de modernização do Exército chinês se destina a defender "os interesses da soberania, segurança e desenvolvimento do país" e para "providenciar a paz, estabilidade e prosperidade globais".

O porta-voz do ministério chinês também reiterou a posição firme de seu país em relação a Taiwan, que ele definiu como u…

Washington bloqueia declaração da ONU sobre investigação da violência na Faixa de Gaza

Os EUA bloquearam novamente o projeto de declaração do Conselho de Segurança da ONU que pede uma investigação independente após a situação na fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza se ter agravado drasticamente, comunicou aos jornalistas o embaixador palestino na ONU, Riyad Mansour.


Sputnik

"É bastante lamentável que há pouco um dos 15 países se tenha expressado contra, embora 14 países estivessem prontos para aceitar a declaração. É muito irresponsável e insensível por parte da delegação dos EUA", afirmou Mansour.


Manifestantes palestinos na fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza
Fronteira da Faixa de Gaza e Israel © AFP 2018/ Said Khatib

O embaixador da Palestina acrescentou que tais decisões de Washington permitem ao exército israelense continuar a "pressão" contra os civis palestinos.

Por sua vez, o representante permanente de Israel na ONU, Danny Danon, afirmou que o Conselho de Segurança "deve condenar o Hamas, que utiliza crianças como escudo, pondo em risco as suas vidas, bem como acabar com as provocações, que contribuem para as tensões e a violência".

Nesta sexta-feira (6), na Faixa de Gaza tiveram lugar confrontos durante a Grande Marcha do Retorno — uma série de protestos anti-israelenses. Os manifestantes exigem o direito de regresso dos refugiados aos lares que abandonaram após a criação de Israel, em 1948.

O exército israelense utilizou armas contra os participantes mais agressivos, o que resultou em, ao menos, 10 mortos entre os manifestantes.

No primeiro dia dos protestos, que começaram em 30 de março, os manifestantes sofreram 21 mortos e mais de 800 feridos, tornando este dia do confronto palestino-israelense no mais sangrento desde o verão de 2014.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas