Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Washington bloqueia declaração da ONU sobre investigação da violência na Faixa de Gaza

Os EUA bloquearam novamente o projeto de declaração do Conselho de Segurança da ONU que pede uma investigação independente após a situação na fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza se ter agravado drasticamente, comunicou aos jornalistas o embaixador palestino na ONU, Riyad Mansour.


Sputnik

"É bastante lamentável que há pouco um dos 15 países se tenha expressado contra, embora 14 países estivessem prontos para aceitar a declaração. É muito irresponsável e insensível por parte da delegação dos EUA", afirmou Mansour.


Manifestantes palestinos na fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza
Fronteira da Faixa de Gaza e Israel © AFP 2018/ Said Khatib

O embaixador da Palestina acrescentou que tais decisões de Washington permitem ao exército israelense continuar a "pressão" contra os civis palestinos.

Por sua vez, o representante permanente de Israel na ONU, Danny Danon, afirmou que o Conselho de Segurança "deve condenar o Hamas, que utiliza crianças como escudo, pondo em risco as suas vidas, bem como acabar com as provocações, que contribuem para as tensões e a violência".

Nesta sexta-feira (6), na Faixa de Gaza tiveram lugar confrontos durante a Grande Marcha do Retorno — uma série de protestos anti-israelenses. Os manifestantes exigem o direito de regresso dos refugiados aos lares que abandonaram após a criação de Israel, em 1948.

O exército israelense utilizou armas contra os participantes mais agressivos, o que resultou em, ao menos, 10 mortos entre os manifestantes.

No primeiro dia dos protestos, que começaram em 30 de março, os manifestantes sofreram 21 mortos e mais de 800 feridos, tornando este dia do confronto palestino-israelense no mais sangrento desde o verão de 2014.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas